erros (acidentais e sistemáticos)

A determinação do valor exato de uma grandeza é praticamente impossível, já que o valor encontrado estará sempre afetado de uma certa imprecisão, o que faz com que o valor exato procurado venha sempre acompanhado de erros.
Estes podem ser classificados como erros sistemáticos ou crónicos e como erros fortuitos ou acidentais.
Os erros sistemáticos resultam de fatores ligados às limitações dos aparelhos de medida (exemplo: escala inadequada ou deficiente calibração do aparelho), das técnicas utilizadas (exemplo: posicionamento continuamente incorreto do aparelho de leitura) ou têm origem no próprio operador. Afetam os resultados sempre no mesmo sentido, sempre por excesso ou sempre por defeito e podem ser eliminados, na medida do possível, desde que se conheçam as suas causas, através de ação corretiva adequada.
Os erros acidentais resultam de fatores como a falta de perpendicularidade do observador em relação à escala (erros de paralaxe), de um movimento inadequado do operador ou do aparelho no momento da leitura, ou por outros fatores externos (ambientais ou não) que perturbem o ato de medir. Afetam os resultados, ora por excesso ora por defeito, e são difíceis de eliminar já que se desconhecem as suas causas. Os seus efeitos podem ser minimizados efetuando várias medições da mesma grandeza e tomando para valor mais provável da medição a média dos valores obtidos nas diferentes leituras.
Como referenciar: erros (acidentais e sistemáticos) in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-22 11:45:05]. Disponível na Internet: