escorpionídeos

Ordem de aracnídeos de que se conhecem cerca de 600 espécies pertencentes a 70 géneros. Os escorpionídeos são mais comuns nas regiões subtropicais e tropicais, embora também se encontrem nas regiões temperadas. Os escorpiões estão geralmente escondidos durante o dia debaixo de pedras e nas cavidades naturais e caçam durtante a noite. Comem grandes quantidades de insetos e aranhas, que seguram com os pedipalpos e dilaceram com as quelíceras.
Os indivíduos da ordem escorpionídeos apresentam o corpo comprido, com pedipalpos terminados em forma de pinças, pequenas quelíceras e um abdómen formado por 12 anéis e que termina por um aguilhão pontiagudo e venenoso com que paralisam as presas maiores. As quatro patas locomotoras terminam por dois pares de unhas. No seu corpo distingue-se um cefalotórax que suporta os apêndices, um par de grandes olhos médios e dois a cinco pares de pequenos olhos laterais. No segundo segmento abdominal apresentam um par de estruturas pectinadas que são órgãos tácteis utilizados para explorar o solo e reconhecer os sexos.
O acasalamento é precedido de uma dança nupcial, durante a qual o macho expulsa um espermatóforo para o solo e coloca de imediato a fêmea sobre ele para que receba os espermatozoides.
A fêmea origina descendência, que se desenvolve durante algum tempo no abdómen.
O veneno de muitos escorpiões não é perigoso para os humanos, mas pode produzir dores agudas.
Contudo a picadela de escorpiões de certas espécies do género Androctonas africano e do género Centruroides do México pode ser fatal aos humanos.
Conhecem-se cerca de 600 espécies de escorpionídeos, pertendentes a 70 géneros. Em Portugal só se encontra uma única espécie, vulgarmente conhecida por lacrau (Buthus occitanus).
Como referenciar: Porto Editora – escorpionídeos na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-01 13:19:36]. Disponível em