Eslováquia

Geografia
País da Europa Central. Possui uma área de 48 845 km2 e faz fronteira com a República Checa, a oeste, a Polónia, a norte, a Ucrânia, a leste, a Hungria, a sul, e a Áustria, a sudoeste. As cidades mais importantes são Bratislava, a capital, com 428 800 habitantes (2004), Kosice (232 300 hab.) e Presov (92 100 hab.). O território é predominantemente montanhoso.
Clima
O clima é continental moderado, com verões quentes e chuvosos nas terras baixas e com invernos frios, especialmente nas zonas montanhosas.
Economia
A agricultura representa muito pouco na economia nacional. As culturas dominantes são o trigo, a cevada, a aveia, o milho, o centeio, a beterraba e a batata, o linho, o tabaco, os frutos e os legumes. A exploração mineira é o setor mais desenvolvido do país e abrange o ferro, o cobre, a magnesite, o chumbo e o zinco. A indústria produz aço, plásticos, materiais de construção, fertilizantes, produtos alimentares, bebidas e tecidos. Os principais parceiros comerciais da Eslováquia são a República Checa, a Rússia, a Alemanha e a Áustria.
Indicador ambiental: o valor das emissões de dióxido de carbono, per capita, (toneladas métricas,1999) é de 7,2.
População
A população é de 5 439 448 habitantes (2006), o que corresponde a uma densidade populacional de 111,2 hab./km2. As taxas de natalidade e de mortalidade são, respetivamente, de 10,65%o e 9,45%o. A esperança média de vida é de 74,73 anos. O valor do Índice do Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,836 e o valor do Índice de Desenvolvimento ajustado ao Género (IDG) é de 0,834 (2001). As principais etnias são a eslovaca, com 86%, e a húngara, com 11%. As religiões com maior expressão são a católica, com 60%, e a protestante, com 8%. A língua oficial é o eslovaco.
História
No século XI, a Eslováquia tornou-se território da Coroa húngara. Quatro séculos mais tarde, os Hussitas checos implantaram-se na região. No século XVI, o luteranismo e o calvinismo foram adotados pela maioria dos Eslovacos. Em 1526, os Habsburgos da Áustria subiram ao trono húngaro e governaram a Eslováquia até 1918. Foi introduzido, imediatamente, no território, o catolicismo romano. No século XVIII, começou a crescer um sentimento nacionalista entre a população mas, em 1867, o Governo húngaro passou a controlar diretamente a Eslováquia e seguiu uma política magiar.
No final da Primeira Guerra Mundial, os Eslovacos abandonaram a Hungria e uniram-se às terras checas, a Boémia, a Morávia e uma parte da Silésia, para formar o novo Estado da Checoslováquia. Em 1938, quando Adolf Hitler começou a ameaçar desmembrar a Checoslováquia, os Eslovacos declararam uma unidade autónoma dentro de um Estado Federal Checo-Eslovaco. Depois de os Alemães terem ocupado Praga, a Eslováquia tornou-se independente, sob proteção alemã. Em 1945, como o Exército Vermelho Soviético tinha ocupado o país, os Eslovacos concordaram em reintegrar a Checoslováquia. Depois de os comunistas terem conquistado o poder na Checoslováquia, em 1948, e com a ajuda da União Soviética, a Eslováquia passou a estar submetida a um Governo checo centralista que nacionalizou a indústria e coletivizou a agricultura.
Com a queda do Governo comunista checoslovaco, em 1989-1990, começou a emergir um sentimento de independência entre a população eslovaca. Depois das conversações entre os líderes checos e eslovacos, em 1991, as duas repúblicas federais separaram-se e tornaram-se nações independentes em 1993.
A Eslováquia aderiu formalmente à União Europeia no dia 1 de maio de 2004 numa cerimónia realizada em Dublin e tornou-se no décimo sexto país a adotar a moeda unica europeia, em 01 de janeiro de 2009.
Como referenciar: Eslováquia in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-30 19:13:04]. Disponível na Internet: