esperança de vida

O número médio de anos que se tem possibilidade de viver a partir do nascimento denomina-se esperança de vida ou duração média de vida.
Os humanos, enquanto indivíduos, possuem meios de luta natural contra as diversas doenças. Mas, como ser social, o homem pode descobrir ou conhecer meios de proteção artificiais que lhe permitem combater mais eficazmente todas as agressões de que é vitima. Estes meios dependem dos trabalhos e das descobertas realizados por gerações sucessivas e são conquistas da sociedade e não de um indivíduo isolado. Todos os progressos emergidos ao longo dos anos têm tido por objetivo lutar contra a morte acidental, provocada, por exemplo, por doenças, má-nutrição ou condições de vida não higiénicas. A morte é um acontecimento natural da vida, que atinge sem exceção a totalidade dos membros da totalidade das espécies. Não é uma regra, é uma lei. O tempo que decorre desde o nascimento até à morte é muito diverso entre as espécies, mas é pouco variável entre os indivíduos da mesma espécie.
Contudo, um acontecimento não esperado pode provocar a morte antes que decorra o tempo correspondente à esperança de vida. Doenças infantis, doenças nos adultos ou uma doença de idade que mata antes da hora marcada para a marcha natural das coisas...
A luta atual contra a morte deve dirigir-se quase exclusivamente à morte acidental. A sociedade deve lutar para evitar ao máximo a morte acidental. Diminuindo a mortalidade infantil, melhorando as condições de alimentação em qualidade e quantidade, alcançando-se progressos médicos no diagnóstico e no processo de cura, implementando-se a utilização generalizada de vacinas, a idade média da vida alonga-se pouco a pouco. É nítido o seu maior valor nas populações dos países desenvolvidos do que nos países subdesenvolvidos.
Como referenciar: esperança de vida in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-26 12:53:24]. Disponível na Internet: