Estâncias ao Infante D. Henrique

Poema de forte tom patriótico, em oitavas decassilábicas, consagrado ao Infante D. Henrique, por ocasião da sessão solene de homenagem ao Infante organizada pela Sociedade de Instrução do Porto. Aos "tempos de fé e de heroísmos" da gloriosa época evocada o poeta contrapõe os "tempos de áspera e sórdida ganância" do momento presente, exprimindo, no final, uma vontade de regeneração: "É, pois, bem morta - a raça portuguesa?/ Não mais acorda - a alma desta raça?/ Debalde o poeta pulsa a férrea lira!/ Ninguém responde. Ao longe, o mar - suspira...".
Como referenciar: Estâncias ao Infante D. Henrique in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-23 20:32:47]. Disponível na Internet: