Félix V

Chamado Amedeo VIII, era prior dos cavaleiros de São Maurício e conde da Saboia, tendo nascido em Chambéry no ano de 1383.
Foi eleito (anti)papa quando o Concílio de Basileia (iniciado em dezembro de 1431 e terminado a 16 de maio de 1443) decidiu depor o papa Eugénio IV por não aceitar o conciliarismo e ter transferido o local do Concílio para Ferrara. Contudo, poucos foram os que não se colocaram do lado de Eugénio, sendo por conseguinte a situação de Félix V bastante precária.
Assim que assumiu o cargo, a 5 de novembro de 1439, Félix nomeou o cardeal Luís de Alemão de Arles, principal impulsor da resistência conciliar, presidente do Concílio. Pouca relevância teve este antipapa, uma vez que era apenas suportado por uma minoria de forças obstinadas pertencentes ao Concílio de Basileia, e com os príncipes eleitores de Tréveris e de Colónia, enquanto que a esmagadora maioria apoiava o papa Eugénio IV e o Concílio que este tinha convocado em Ferrara.
Félix acabou por resignar a 7 de abril de 1449, reconheceu o papa Nicolau V como único e legítimo pontífice no dia 25 deste mesmo mês e foi introduzido no Colégio Cardinalício com o título de cardeal de Santa Sabina, tendo-lhe também sido outorgado vitaliciamente o cargo de legado apostólico na Saboia. Os cardeais que tinham sido criados por Félix foram também incorporados no Sacro Colégio.
Faleceu no dia 7 de janeiro de 1451, no castelo de Ripaille (Thonon-les-Bains, Genebra).
Como referenciar: Félix V in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-13 04:23:14]. Disponível na Internet: