fibra ótica

Uma fibra ótica consiste numa vareta oca com um diâmetro de alguns micrómetros, realizada com fibras sintéticas transparentes que, aproveitando o efeito de reflexão total da luz quando incide sobre uma superfície com um ângulo grande, é utilizada como condutor de luz de grande rendimento, isto é, quase sem perdas.
As fibras óticas podem ser classificadas em fibra de índices por degraus e fibra de índices graduados.
No que diz respeito às primeiras, um núcleo de vidro puro, com um diâmetro entre 6 a 250 micrómetros, encontra-se rodeado por um revestimento de vidro, ou plástico, de baixo índice de refração. O revestimento tem normalmente entre 10 e 150 micrómetros de espessura. A superfície entre as duas faces, o núcleo e o revestimento, atua como um espelho cilíndrico, no qual tem lugar a reflexão total da luz transmitida. Esta estrutura permite que um feixe luminoso percorra muitos quilómetros de fibra. No que toca à fibra de índices graduados, cada camada de vidro, a partir do eixo da fibra até à sua parte exterior, possui um índice de refração ligeiramente inferior ao da camada interior a ele. Esta disposição também impede que a luz se escape através das paredes da fibra, por uma combinação de refração e reflexão total, e pode permitir dar o mesmo tempo de trânsito para raios com ângulos diferentes.
Os sistemas de fibras óticas usam as fibras óticas para transmitir informações na forma de impulsos codificados ou de imagens fragmentadas, desde uma fonte até ao recetor. Acima de distâncias razoáveis são usados em telecomunicações, para cujo fim estão a tornar-se competitivos, com os cabos elétricos.
São também utilizados em instrumentos médicos (fibroscópicos) para examinar as cavidades interiores do corpo, tais como o estômago e a bexiga.
Como referenciar: fibra ótica in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-06 06:11:17]. Disponível na Internet: