Fócio

Patriarca da cidade de Constantinopla, onde nasceu provavelmente no ano 820.
Quando Inácio, o patriarca em funções, negou a comunhão a César Bardas, corregente do imperador Miguel III, foi expulso e substituído por Fócio, um laico. O Papa Nicolau I, após investigação dos factos acontecidos, declarou a ilegitimidade de Fócio, excomungando-o mais tarde. Como forma de represália à atitude papal, Fócio publica um documento onde refere que a supremacia pontifícia era honorífica e não jurídica.
Em 867 convoca um concílio em Constantinopla onde excomunga a figura papal e a própria Igreja Ocidental, provocando o Cisma do Oriente, sendo deposto neste mesmo ano por Basílio I, entretanto subido ao trono. Dois anos mais tarde durante o Concílio de Constantinopla é excomungado e tornado novamente laico.
A morte de Inácio em 817 reconduz Fócio mais uma vez à sede patriarcal, sendo inclusive reconhecido pelo Papa João VIII. A sua deposição definitiva dá-se no ano de 886, com Leão VI, que o remete para um convento arménio onde falecerá no ano de 897.
As sua obras escritas mais importantes são Bibliotheca e Amphilochia.
Como referenciar: Fócio in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-02-27 21:17:46]. Disponível na Internet: