fotocopiadora

A máquina fotocopiadora foi inventada a 22 de outubro de 1938, em Astoria, nos Estados Unidos da América, por John Chester Carlson, um advogado que dedicava o seu tempo livre a investigar e inventar coisas. Nessa data, o inventivo advogado fez a primeira imagem xerográfica de sempre, mas, nos anos seguintes, não houve quem se interessasse e investisse no invento. Passaram-se seis anos até que o Battelle Memorial Institute, em Columbus, contratasse Carlson para desenvolver a sua máquina.
Em 1947, a empresa fabricante de papel fotográfico Haloid Company, sediada em Nova Iorque, obteve permissão do instituto para desenvolver e comercializar uma máquina copiadora inspirada na invenção do advogado, que colaborou na sua conceção. Xerografia, que deriva das palavras gregas utilizadas para definir "secar" e "escrever", foi o termo escolhido para designar o novo processo de cópia. Este assenta na reflexão eletrostática da imagem original através de um espelho para um cilindro metálico que recebe uma descarga elétrica contrária havendo uma posterior transferência da imagem para uma folha de papel por uma exposição a vapores quentes.
Em 1948, a Haloid registou os termos xerografia e xerox, este para definir o produto que, assim, entrou no mercado. A primeira máquina fotocopiadora foi a Xerox 914, que conheceu um enorme sucesso por permitir duplicar documentos a preto e branco com extrema simplicidade e fácil manuseamento. O sucesso da máquina levou a que a empresa passasse a adotar a designação Xerox Company, em 1959. O êxito da 914 manteve-se nos anos 60 e os lucros arrecadados pela empresa permitiram uma maior aposta na investigação e desenvolvimento de novos produtos.
A seguir à Xerox novas marcas entraram no mercado, permitindo que houvesse grandes inovações para responder às exigências do mercado. Assim, passou a haver diferenças e melhorias no que toca à rapidez de reprodução de cópias, ao preço e dimensão das máquinas e dos consumíveis, assim como cresceu a oferta do tipo de fotocópias existentes. Os clientes ou utilizadores das máquinas podem optar por cópias a preto e branco, a cores, em frente e verso da folha, aumentadas, reduzidas, em papel de fotografia, em acetato, etc.
Entretanto, a vulgarização das fotocópias levou a que fossem criadas novas leis referentes aos direitos de autor. Como passou a ser extremamente fácil reproduzir documentos e obras foi necessário proteger os autores desses trabalhos.
Como referenciar: fotocopiadora in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-16 22:14:45]. Disponível na Internet: