François Rauber

Compositor, orquestrador, pianista, de nacionalidade francesa, François Rauber nasceu a 19 de janeiro de 1933, em Neufchâteau (Vosges), a noroeste de França.
Fez os seus estudos de piano no Conservatório de Nancy. Em 1951 partiu para Paris onde trabalhou como pianista no cabaret "Les Trois-Baudets", dirigido por Jacques Canetti.
Em 1956 conheceu o cantor belga Jacques Brel, para quem compôs vários temas, tal como Je ne sais pas, Au printemps, Quand maman reviendra, até ao último álbum do cantor em 1977. É também autor de bandas musicais para filmes, La bande à bonnot, Les Risques du métier, Mon oncle Benjamin ou L'Emmerdeur e dirigiu a orquestra em150 representações de "L'Homme de la Mancha", onde Brel participou como ator. A sua formação clássica levou-o ainda a compor quatro concertos para piano, violino, trompete e oboé, e a escrever música para desenhos animados como Tintin et le Lac aux Requins et Le Temple du Soleil, para peças de teatro e para circo.
François Rauber colaborou também com outros artistas, tais como Barbara Hendricks, Juliette Gréco, Anne Sylvestre, Georges Moustaki, Charles Aznavour, Adamo, Jacques Dutronc, Mireille Mathieu, Pavarotti, Julio Iglesias, Sting, entre outros. Dirigiu várias orquestras em salas de espetáculo importantes, como a Opéra Comique, em Paris, ou o Carnegie Hall, em Nova Iorque.
Em novembro de 2003, Rauber recebeu o Grande Prémio da Sacem, na categoria de canção francesa (composição).
A 16 de dezembro de 2003, François Rauber morreu no seu domicílio parisiense.
Como referenciar: François Rauber in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-22 19:05:09]. Disponível na Internet: