frio industrial

O frio industrial consiste numa área da técnica que se ocupa da investigação, produção e aplicações das baixas temperaturas com fins industriais e para conservação dos materiais suscetíveis de se alterarem por efeito do calor.
As primeiras experiências para a obtenção de baixas temperaturas devem-se a Ch. Tellier, que em 1868 as aplicou à conservação dos alimentos. Em 1898, o químico e físico britânico James Dewar (1842-1923) alcançou, mediante a evaporação do hidrogénio líquido, os 14,16 K (-259 ºC), enquanto que em 1908, Kamerling Onnes chegava aos 4,16 K (-269 ºC) ao evaporar hélio. Já com o método da desmagnetização adiabática, De Haas obteve em 1947 uma temperatura de 0,0023 K e em 1951 De Klerk alcançou os 0,0014 K. O frio industrial pode ser dividido em três ramos perfeitamente diferenciados entre si: refrigeração, que se ocupa da obtenção de temperaturas iguais ou pouco inferiores a 0 ºC; congelação, processo para a obtenção de temperaturas sensivelmente inferiores a 0 ºC, e criogenia, em que se conseguem temperaturas extremamente baixas, como, por exemplo, para a liquefação dos gases.
Na refrigeração utilizam-se misturas frigoríficas que gozam da propriedade que possuem certos corpos de absorver o calor ao misturarem-se intimamente.
A congelação emprega máquinas frigoríficas e a criogenia serve-se do arrefecimento que sofrem as substâncias paramagnéticas quando submetidas à desmagnetização adiabática.
Como referenciar: frio industrial in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-15 10:32:03]. Disponível na Internet: