Gardénia

Cantora cabo-verdiana, Gardénia Benrós nasceu na cidade da Praia, na ilha de Santiago, em Cabo Verde. O gosto pela música foi influenciado pela avó, natural da vila de Nova Sintra, que se destacou pela presença em saraus e sessões culturais da ilha, apresentando a pequenos públicos algumas interpretações de mornas. Depois da avó, também a mãe se interessou pelo canto, chegando a frequentar aulas de canto lírico, na missão de frades capuchinhos da ilha. Viria inclusivamente a cantar em emissões radiofónicas. Estes antecedentes familiares deram a Gardénia os genes do canto. Durante a infância, em Lisboa, e na adolescência, vivida em Boston, nos Estados Unidos da América, melhoraria as suas competências vocais. Na temporada americana, integraria o coletivo Tropical Power, com outros músicos cabo-verdianos radicados em território americano. A tradição da morna interessar-lhe-ia desde muito jovem e gravaria o seu primeiro disco em 1986, contando com a participação de alguns dos músicos mais célebres do seu país, como Paulino Vieira, Tito Paris, Toi Vieira e Péricles Duarte. O registo seria gravado em Lisboa e editado pela Polygram, marcando uma nova era na música cabo-verdiana, dado que, na época, poucos artistas conseguiam gravar com uma editora de expressão multinacional.

De então para cá, outras edições discográficas confirmariam a influência decisiva das suas raízes, com os tons africanos a dominarem o seu som, mas aceitando a mistura com outras luminárias. Não se limitando ao percurso como cantora, Gardénia frequentou a Berkley College Music of Boston, completando um curso universitário que, entre outras coisas, lhe deu o engenho para compor. Embalada por essa instrução e motivada para a ideia de apoiar outros artistas, fundou, em 1998, a sua própria editora, a Independent Talent Productions. Fixando residência nos Estados Unidos da América, Gardénia manteve um agenda preenchida de atuações fora do espaço americano, esgotando audiências no Canadá, no Havai, em França, na Holanda, em Espanha e, naturalmente, em Portugal e Cabo Verde. Em 1999, uma digressão em Portugal levá-la-ia a ter a companhia de músicos brilhantes, como Toy Vieira, John Mota, Moisés, Kikas ou Zé Mário. O amigo Tito Paris foi aparição esporádica numa ou outra dessas atuações. Além desses, o disco Bo Kin Cre, polo cruzador da magia sonora de Cabo Verde com os aromas da salsa e do samba, contava com contributos especiais de Danny Carvalho, Luis Morais, Chico Serra, Djoy Delgado e Manuel d'Candinho.

Discografia 1986, Gardénia Benrós
1990, É Sim
1995, Kryola D' Encantar
1999, Bo Kin Cre

Como referenciar: Gardénia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-24 00:13:24]. Disponível na Internet: