George Maciunas

Artista plástico, músico, teórico e historiador de arte, Jurgis Maciunas nasceu em 1931, em Kaunas, na Lituânia. Em 1944, a sua família refugia-se na Alemanha mas, mais tarde, Maciunas volta à Lituânia onde retoma os seus estudos. Em 1948, juntamente com a família, emigra definitivamente para os Estados Unidos da América e adota o nome de George. Em Nova Iorque, a partir de 1949, estuda arte, artes gráficas e arquitetura na Cooper Union. Três anos mais tarde frequenta o Carnegie Institute of Technology (Pittsburgh), onde estuda arquitetura e musicologia. Entre 1955 e 1960, estuda arte europeia e siberiana no Institute of Fine Arts da Universidade de Nova Iorque.
Quando era ainda estudante tenta ganhar a vida comercializando livros e instrumentos musicais antigos e abre uma galeria de arte na Avenida Madison, em Nova Iorque. Em junho de 1961 organiza uma série de concertos de música antiga e contemporânea que se tornaram as primeiras manifestações do movimento Fluxus. Para além de fundador, George Maciunas assumiu-se como o protagonista e principal impulsionador das atividades desenvolvidas por este movimento artístico de influência dadaísta. A partir de uma dimensão utópica e vontade de empenhamento social, Maciunas manifesta-se contra a produção de objetos artísticos de carácter tradicional, e interessa-se pelos happenings e pela performance de carácter lúdico mas também crítico. Nestas realizações artísticas a música assume geralmente grande importância, como o demonstra o espetáculo que realizou na companhia de artistas como Nam June Paik e Dick Higgins, entre outros, chamado Neo-Dada in der Musik e que foi apresentado em Düsseldorf em 1962. No ano seguinte, publica o manifesto de Düsseldorf do Fluxus, que renovaria em 1965. A sua atividade artística no seio do movimento Fluxus aborda um vasto espetro de meios expressivos, desde a música ao desenho, às artes gráficas, aos happenings e performances. De entre os seus trabalhos contam-se obras como "Music for Everyone", de 1961; "12 Piano Compositions for Nam June Paik" de 1962; desenhos e cartazes, tais como "Grinderchess" (1965) e "USA Surpasses all the Genocide Records!" (1968).
Desde 1961 dedica-se à publicação da revista do Fluxus, sendo o primeiro número editado três anos mais tarde. Foi responsável também pelas numerosas edições de antologias do movimento, as quais assumem a forma de caixas onde eram reunidos vários objetos como filmes, imagens e fotografias. Para além das antologias do movimento Fluxus, a última das quais publicada em 1977, edita vários ensaios sobre arte e história.
Faleceu em 1978, em Boston, vítima de cancro, pouco tempo depois de se ter casado.
Como referenciar: George Maciunas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-10 19:13:48]. Disponível na Internet: