gineta

Antigamente, o termo gineta referia-se a uma insígnia de autoridade dos militares, especificamente dos capitães.
Na arte equestre, gineta (ginete ou gineto) tanto pode referir-se ao cavalo de raça, bem adestrado e ligeiro, (influência da cavalaria ligeira da tribo berbere dos zenetas, que participou na defesa do reino de Granada), como pode indicar o próprio sistema de equitação de estribo curto ou ainda o cavaleiro que lutava com lança e adarga. "Montar à gineta" significa montar bem um cavalo de boa raça, com curtos estribos, com facilidade para realizar exercícios de combate, caça, toureio, manejo de gado...
Como animal, gineta é uma espécie de gato bravo, frequentemente conhecido por "gato árabe", pois crê-se que foi introduzido na Península Ibérica durante as invasões muçulmanas.

No "Sermão de Santo António aos Peixes", o Padre António Vieira usa a "gineta" no sentido de espontão ou pequena lança, quando diz que "No mar, pescam as canas, na terra pescam as varas (e tanta sorte de varas); pescam as ginetas, pescam as bengalas, pescam os bastões e até os cetros pescam, e pescam mais que todos, porque pescam cidades e reinos inteiros."
Como referenciar: gineta in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-29 12:58:58]. Disponível na Internet: