Guarda


Aspetos geográficos
Cidade, sede de concelho e capital de distrito. Localiza-se na Região Centro (NUT II) e na Beira Interior Norte (NUT III). É a cidade portuguesa de maior altitude (1056 m) e uma das mais altas da Europa. Fica situada no flanco nordeste da serra da Estrela e está mais ou menos localizada onde os Romanos tiveram a antiga Lancia Oppidiana, que foi destruída pelos bárbaros. Dista 219 km do Porto e 356 km de Lisboa. O concelho abrange uma área de 712,1 km2, compreendendo 55 freguesias: Adão, Albardo, Adeia do Bispo, Aldeia Viçosa, Alvendre, Arrifana, Avelãs de Ambom, Avelãs da Ribeira, Benespera, Carvalhal Meão, Casal de Cinza, Castanheira, Cavadoude, Codesseiro, Corujeira, Faia, Famalição, Fernão Joanes, Gagos, Gonçalo, Gonçalo Bocas, João Antão, Maçainhas, Marmeleiro, Meios, Mizarela, Monte Margarida, Panóias de Cima, Pega, Pera do Moço, Pero Soares, Porto de Carne, Pousada, Ramela, Ribeira dos Carinhos, Rocamoudo, Rochoso, Santana de Azinha, Jarmelo (São Miguel), Jarmelo (São Pedro), Guarda (São Vicente), Guarda (Sé), Seixo Amarelo, Sobral da Serra, Trinta, Vale de Estrela, Valhelhas, Vela, Videmonte, Vila Cortês de Mondego, Vila Fernando, Vila Franca do Deão, Vila Garcia, Vila Soeiro, São Miguel da Guarda, Vale de Amoreiras.
Em 2005, o concelho apresentava 43 981 habitantes. O natural ou habitante de Guarda denomina-se egitaniense ou guardense.
O distrito faz parte da província da Beira Alta e é limitado a norte pelo de Bragança, a sul pelo de Castelo Branco, a oeste pelos de Viseu e Coimbra e a leste pela Espanha.
Todo o território é muito montanhoso, formado por elevações de diversas altitudes. A sua área abrange parte da serra da Estrela (altitude máxima: 1991 metros).
O distrito é atravessado por diversos rios, dos quais o mais importante é o Douro e os afluentes da sua margem esquerda: Águeda, Aguiar, Coa, Teja, Torto e Távora. Também os rios Mondego, Zêzere e Alva têm a parte inicial do seu curso na região.
Compreende 14 concelhos: Almeida, Aguiar da Beira, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Mêda, Pinhel, Seia, Sabugal, Trancoso e Vila Nova de Foz Coa.

História e Monumentos
Embora a cidade da Guarda tenha começado com os alvores da Nacionalidade portuguesa, foi D. Sancho I quem em 1199 lhe outorgou foral. Na cidade encontram-se importantes edifícios, alguns dos quais de remota data: a Sé, uma das mais sumptuosas catedrais portuguesas, onde se podem observar os estilos românico, gótico e manuelino; a Igreja da Misericórdia, muito ampla, com um imponente frontispício, cantarias interiores bem lavradas com esculturas e talhas primorosamente trabalhadas; a Igreja de S. Vicente, de idêntica arquitetura; a Torre dos Ferreiros, uma das portas da cidade medieval; a torre de menagem do velho castelo, que se encontra no mais elevado ponto da cidade, a uma altitude superior a mil metros e de onde se desfruta um vasto e imponente panorama por muitas léguas em redor; a capela românica de Nossa Senhora do Mileu e várias ermidas. Dos modernos edifícios destacam-se o sanatório Sousa Martins, o Hotel Turismo e o Palácio da Justiça. Almeida é um dos concelhos emblemáticos do distrito, evidenciando-se pela sua história nas disputas com Espanha, das quais resultou a construção da sua fortaleza tipo Vauban com fortificações em forma de estrela. Existem muitos outros monumentos no distrito da Guarda, dos quais se podem destacar o castelo, a Igreja Matriz e a Igreja da Misericórdia de Celorico da Beira e a Capela de S. Pedro em Seia.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Realizam-se várias romarias e feiras nos concelhos que compõem o distrito. Em setembro, tem lugar a romaria da Senhora da Misericórdia; em outubro, a Feira de São Francisco; em agosto, na Guarda, a romaria da Senhora do Mileu; em abril, a romaria de São Pedro e, em agosto, a Feira de Trancoso. Uma das maiores romarias do distrito é a Festa da Senhora do Açor que atrai devotos de vários concelhos a Celorico da Beira.
O ponto mais alto de Portugal Continental está situado na serra da Estrela que na Torre atinge os 1991 metros de altitude.
Em Pinhel, destacam-se as lendas da Moira da Fonte e a da Casa Grande, contando esta última um pacto com Satanás, e, em Trancoso, é conhecida a lenda do João Tição.
Do folclore do concelho serrano de Gouveia fazem parte as modinhas de roda.
Um dos costumes dos pastores consiste na consagração dos rebanhos aos santos. Os pastores enfeitam as suas ovelhas e levam-nas à capela, correndo em volta da igreja, seguido pelas ovelhas até estas se encontrarem alinhadas em fila. Quando isso é conseguido, o pastor sai da correria e deixa as ovelhas continuarem sozinhas até que ele lhes faça sinal.
Um dos elementos da tradição do concelho do Sabugal é a capeia, em que os habitantes desafiam os touros no "corro", com o forcão (grade construída com troncos de madeira) ou picando-o, ficando sujeitos às investidas do touro. Esta tourada raiana encontra-se fortemente enraizada na região.
Da tradição são também inseparáveis os jogos tradicionais, como o pulinho (jogo familiar), o jogo da barra de pedra ou do calhau (um jogo de força), o jogo da pelota (bola feita de trapos colorida com fios de lã), o jogo da xóquita (jogo infantil), e jogo do galo.
Em Celorico da Beira, salienta-se o jogo tradicional da subida do pau, praticado essencialmente durante as festas. Consiste em subir a um tronco alto bastante ensebado que tem na sua extremidade um bacalhau, uma broa e um garrafão de vinho.
As mulheres de Quadrazais, as quadrazenhas do concelho de Sabugal, evidenciam-se pelos seus trajes garridos e pelos brincos.
O concelho de Figueira de Castelo Rodrigo é conhecido pelas suas amendoeiras em flor, muito belas no mês de fevereiro.
Foi neste distrito que se apurou o robusto cão pastor da serra da Estrela.
No artesanato do distrito, destacam-se produtos como cestos em vime, uma das principais produções, talha, trabalhos em madeira, vasos, caçoilas e cântaros feitos em barro, chinelos de pano e botas da serra. Em Figueira de Castelo Rodrigo, a tecelagem foi durante muitos anos uma atividade que ocupava um grande número de mulheres. Produzem-se atoalhados de linho, mantas e tapetes de lã.

Economia
Esta região, de um modo geral, é pouco fértil e até inculta em grande parte da sua superfície. Contudo, produz batata, cereais, fruta, vinho e azeite, e cria gado bovino, ovino, caprino e suíno. Tem indústrias de lanifícios e laticínios, produtos alimentares e montagem de automóveis. No subsolo existe estanho e volfrâmio. Nos cursos de água podem-se encontrar barbos, trutas e outros ciprinídeos que juntamente com a riqueza paisagística e com o encanto da montanha contribuem para o forte potencial turístico da região, nomeadamente turismo rural e de montanha.
Como referenciar: Guarda in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-23 03:35:01]. Disponível na Internet: