Guelfos Versus Gibelinos

Florença é uma cidade de origem etrusca, transformada depois numa colónia romana; foi doada à Santa Sé pela condessa Matilde no século XII. Graças às sua prosperidade comercial e económica a cidade enriqueceu e formou uma rica e próspera burguesia que comandava os destinos daquela que se tornaria uma das mais importantes repúblicas italianas.
Entretanto, o poder senhorial caminhava para o fim. Os senhores feudais florentinos travaram uma longa luta entre si: de um lado estavam os nobres gibelinos que eram partidários do imperador e do outro os guelfos plebeus que representavam o partido apoiante do Papa. Dito de outro modo: em geral os guelfos, de tendência democrática e defensores do nacionalismo italiano, apoiavam-se no Papa; opunham-se aos gibelinos, de tendência aristocrática e apoiados no imperador, de quem eram partidários. Os gibelinos foram derrotados pelas forças populares e consequentemente a aristocracia foi definitivamente banida de Florença em 1267. Passados alguns anos (1282) a cidade tomou a forma de uma república independente dotada de uma Constituição de cariz democrático.
É, no entanto, necessário, ter cuidado com a utilização destes termos que, na maior parte dos casos, encobrem realidades locais. Pisa, por exemplo, só é gibelina porque Florença era guelfa.

Como referenciar: Guelfos Versus Gibelinos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-08 00:34:02]. Disponível na Internet: