Guerra da Sucessão Austríaca

Com a morte de Carlos VI (outubro de 1740), a linha masculina dos Habsburgos extingui-se. Maria Teresa, sua filha, sucedeu-lhe na Áustria, Boémia e Hungria (1740-1780). Casou-se em 1736 com Francisco Estêvão de Lorena (Francisco I). Os Estados sob os seus domínios reconheceram-na como sucessora, mas a Baviera, a Saxónia e a Espanha reclamaram os territórios dos Habsburgos; Frederico II da Rússia, por sua vez, alegando antigos tratados, contesta duas partes da Silésia, declarando guerra a Maria Teresa. A sua primeira vitória em Mollowitz (1741) encorajou a França, a Baviera, a Espanha, a Saxónia e a Sardenha a atacarem a imperatriz que, aliada às potências marítimas, resistiu com algum sucesso. Maria Teresa ganhou o apoio da Inglaterra e dos seus súbditos húngaros e salvou os seus Estados, fazendo eleger imperador o seu marido em 1745. A Guerra da Sucessão (1740-1748) custou-lhe a Silésia, que tentou recuperar, em vão, durante a Guerra dos Sete Anos. Concluída a paz, a monarca procurou reorganizar os seus Estados para os pôr ao abrigo de novas amputações.
Como referenciar: Guerra da Sucessão Austríaca in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-17 14:48:43]. Disponível na Internet: