Guerra dos Sete Anos

Guerra ocorrida entre 1756-1763 entre a Inglaterra e a Prússia contra a França e a Áustria, para além de outros aliados, originada pela rivalidade colonial e económica anglo-francesa.

A Inglaterra tomou a iniciativa quando capturou trezentos navios franceses sem declarar guerra, e de seguida, com o Acordo de Westminster, pelo qual consegue o apoio militar de Frederico II da Prússia. A França, por seu lado, com o Tratado de Versalhes obtém a promessa de aliança de Maria Teresa de Áustria. Enquanto nas colónias americanas e da Índia os sucessos pertencem aos Ingleses, e apesar da tentativa do "Pacto de Família" com os Bourbons de Espanha, na Europa, numa fase inicial, a aliança franco-austríaca é bem sucedida, contando com a ajuda de os príncipes alsacianos, da Suécia e da Rússia. No entanto, Frederico II inverte a situação quando derrota os primeiros em Leuthen e os segundos em Rossbach.
Em 1758, é a vez dos russos vencerem a Prússia em Kurergdorf. Todavia, a subida ao trono de Paulo III, que nutria grande admiração pela Prússia, leva-o a assinar um armistício, ficando Frederico II livre da frente oriental, levando os franceses e austríacos a assinarem a paz (Tratado de Paris). No acordo firmado, a França perde a favor dos ingleses o Canadá e parte da Luisiana, algumas Antilhas e feitorias do Senegal; a favor de Espanha, para compensá-la dos prejuízos advindos da guerra, o resto da Louisiana e Nova Orleans, enquanto na Índia perdia toda a influência. A Áustria, por seu turno, cedeu definitivamente a Silésia à Prússia.

Como referenciar: Guerra dos Sete Anos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-18 03:25:47]. Disponível na Internet: