Guerra Hispano-Americana

A declaração de independência de Cuba, assinada por McKinley, fez rebentar a guerra hispano-americana. A Batalha de Manila nas Filipinas, em 1898, foi o primeiro ato militar que prenunciava a derrota das forças espanholas. A conquista da cidade de Manila teve um significado político para além do aspeto puramente militar, porque os americanos não queriam entregar o poder aos filipinos devido a estarem a negociar uma rendição separada com os espanhóis. Entretanto, os EUA entraram em guerra nas Caraíbas. Apesar da intensificação das hostilidades, as forças armadas americanas estavam muito bem preparadas, sendo-lhes relativamente fácil derrotar os espanhóis em Santiago e em Porto Rico.
Nas Filipinas os americanos uniram-se aos rebeldes, levando os espanhóis à rendição. Contudo, a derrota dos espanhóis encorajou os movimentos de resistência filipina, abrindo deste modo o caminho a uma guerra entre os Estados Unidos e as Filipinas.
Esta guerra de guerrilha resultou noutras conquistas, uma das quais foi a anexação das ilhas do Havai a 7 de julho de 1898. O Havai era muito importante para os americanos, pois estes pretendiam instalar aí uma base naval. Pelo tratado de paz de 12 de dezembro de 1898, foi também adicionado o Guam.
Como referenciar: Guerra Hispano-Americana in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-17 13:33:51]. Disponível na Internet: