Harry Dean Stanton

Ator norte-americano, Harry Dean Stanton nasceu a 14 de julho de 1926 em West Irvine, no Kentucky. Frequentou a Universidade de Kentuchy e durante uma produção teatral na faculdade começou a aperceber-se da sua paixão pela representação. Três anos depois desistiu dos estudos e tornou-se membro do American Male Chorus onde andou em digressão pelos Estados Unidos, tendo posteriormente trabalhado em Nova Iorque em teatro para crianças. Mudou-se mais tarde para a Califórnia para estudar representação na Pasadena Playhouse, que era frequentada na altura por figuras como Gene Hackman e Robert Duvall. Mudou-se então para Hollywood e pouco tempo depois conseguiu alguns papéis em várias séries de televisão.
Em 1957, estreou-se no cinema num pequeno papel no western Tomahawk Trail e conseguiu participar em outros filmes, na maior parte westerns, em papéis de cowboy ou de soldado durante os finais dos anos 50 e inícios de 60.
Anos depois, ao obter melhores papéis, conseguiu mostrar o seu talento, como foi o caso do drama Cool Hand Luke (O Presidiário, 1967), protagonizado por Paul Newman; o filme de guerra Kelly's Heroes (1970); Dillinger (1973), de John Milius; The Godfather Part II (O Padrinho: Parte II, 1974), realizado por Francis Ford Coppola, e o filme de ficção científica de Ridley Scott Alien (O Oitavo Passageiro, 1979). Em 1980, fez de sargento na comédia Private Benjamin (Loucuras de Uma Recruta) e, no ano seguinte, participou no thriller de John Carpenter Escape From New York (Nova Iorque, 1997), com quem voltou a trabalhar em Christine (O Carro Assassino, 1983). Com o seu trabalho nestes três filmes começou a ganhar algum reconhecimento entre a crítica e o público.
Os seus três filmes seguintes, curiosamente todos do mesmo ano, são definitivos na sua carreira e pelos quais é mais recordado: o clássico de culto Repo Man (O Clandestino, 1984), realizado por Alex Cox; Red Dawn (Amanhecer Violento, 1984), de John Milius, e aquele que é talvez o seu papel mais dramático de todos e o mais exigente, pelas mãos de Wim Wenders, como Travis, um homem destroçado emocionalmente pela partida da mulher e do filho, que vagueia sem saber quem é, em Paris, Texas (1984).
Seguiu-se a comédia dramática Pretty in Pink (A Garota do Vestido Cor-de-Rosa, 1986), como pai desempregado de Molly Ringwald e, em 1988, interpretou o papel de Apóstolo Paulo no épico religioso e controverso The Last Temptation of Christ (A Última Tentação de Cristo), realizado por Martin Scorsese.
Por altura dos anos 90 do século XX, já Stanton era reconhecido como um ícone na indústria cinematográfica americana com a sua participação na comédia Twister (Um Furacão na Família, 1990); como detetive desesperado em Wild at Heart (Um Coração Selvagem, 1990), de David Lynch; como protagonista no drama sentimental The Mighty (Os Poderosos, 1998) e, no mesmo ano, em Fear and Loathing in Las Vegas (Delírio em Las Vegas), realizado por Terry Gilliam. Trabalhou novamente com David Lynch em The Straight Story (Uma História Simples, 1999).
Destaque ainda para o seu trabalho em The Green Mile (À Espera de um Milagre, 1999), um drama fantástico baseado na obra de Stephen King; e em The Pledge (A Promessa, 2001), realizado por Sean Penn.
Para além da sua carreira na Sétima Arte, Stanton dedicou-se à música e possui a sua própria banda intitulada The Harry Dean Stanton Band.
Como referenciar: Harry Dean Stanton in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 05:46:25]. Disponível na Internet: