Hervé Bazin

Escritor francês do pós-guerra, sobrinho-neto de René Bazin e filho de uma mãe demasiadamente autoritária, nascido em 1911 e falecido em 1996, multiplicou as fugas ainda adolescente. Durante uma dessas fugas, a caminho de Paris, quando conduzia o automóvel de seu pai, sofreu um terrível acidente que o tornou amnésico e o condenou a uma longa estadia numa casa de saúde. Quando saiu, finalmente, viu-se obrigado a exercer as mais humildes profissões para prover à sua subsistência. Durante 14 anos levou uma existência muitas vezes miserável. A sua obra é repassada pelo sinal da revolta, revelada por um discurso vingativo. Uma revolta que não tem um carácter filosófico mas um cariz pessoal: a revolta da criança contra a família, em Vipère au Poing (1948); a fúria do jovem contra uma sociedade repressiva, em La Tête contre les Murs.
Outras obras do autor: La Mort du petit cheval (1950), Qui j'ose aimer (1956) e Le Matrimoine (1967), em que abordou, numa linguagem acre, os problemas da família em lares desavindos.
Como referenciar: Hervé Bazin in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-12 13:59:24]. Disponível na Internet: