História do Romantismo em Portugal

Obra em que Teófilo Braga se propõe fazer a história do movimento romântico em Portugal, analisando os factos literários em consonância com os acontecimentos políticos, convicto que está de que, "na sua oscilação doutrinária, o Romantismo refletiu todos os movimentos reacionários e liberais da oscilação política". A obra surge dividida em quatro partes: primeiro, o autor apresenta uma "Ideia Geral do Romantismo", distinguindo três correntes, que designa como "Romantismo religioso ou emanuélico", "Romantismo liberal" e "Ultrarromantismo ou Satanismo"; em seguida, consagra um livro a cada um dos três introdutores do Romantismo em Portugal: Garrett, Herculano e Castilho, este visto como um sobrevivente do Neoclassicismo. Relativamente à Escola de Coimbra, distingue nela três fases: a fase "poética" de Coimbra, em 1865; a fase do Porto, em 1868, correspondente à descoberta das doutrinas de Comte pelo próprio Teófilo Braga; a fase das Conferências do Casino Lisbonense, em 1871.
Como referenciar: História do Romantismo em Portugal in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 03:41:38]. Disponível na Internet: