Histórias do Tempo de Deus

Cada um dos contos que integram as Histórias do Tempo de Deus tem como eixo simbólico a reflexão sobre algumas das chaves de acesso à grande obra universal. Embora o diálogo filosófico e a construção das personagens enquanto tipos que permitem apresentar as "demonstrações alegóricas de ideias-tese preestabelecidas" (Ferreira, José Antunes - Introdução a Histórias do Tempo de Deus, Lisboa, Edições do Templo, 1979), confiram à obra o sentido de um "tratado completo de cosmologia" (id. ib.), de uma "teoria da alma, considerando-a na sua essência, na sua evolução, na sua transfiguração após a morte" (id. ib.), a verdade é que a reflexão filosófica não se sobrepõe a uma construção narrativa que permite vários níveis de leitura e, embora impondo a reflexão sobre uma macroestrutura densamente urdida e firmada na obra ensaística e filosófica do autor, não sobrecarrega uma forma narrativa enigmaticamente sedutora na sua aparente linearidade.
Como referenciar: Histórias do Tempo de Deus in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 01:20:45]. Disponível na Internet: