Igreja de S. Francisco (Bragança)

Originariamente edificada no século XIII, sob o patrocínio de D. Afonso III, a Igreja de S. Francisco de Bragança integrava o antigo convento franciscano desta cidade transmontana.
Um pouco antes da Restauração de 1640, o Convento de S. Francisco terá recebido avultadas obras de beneficiação e de remodelação em algumas das suas áreas. Contudo, um violento incêndio destruiu a quase totalidade do cenóbio e parte da igreja, decorria o ano de 1728.
Sob o patrocínio do general Sepúlveda, a Igreja de S. Francisco foi reconstruída nos inícios do século XIX, vindo aí a ser sepultados este insígne general e sua mulher, D. Joana de Castro Valadares. Extintas as ordens religiosas em pleno século XIX, as dependências conventuais foram reconvertidas em Hospital Militar no ano de 1859. Mais tarde, em 1867, instalou-se nesse mesmo local um asilo. O tempo e a incúria dos homens realizaram avultados estragos neste templo de Bragança.
Austera e desordenada é a fachada desta igreja franciscana, resultando pouco imaginativa e sem menção artística de relevo.
O seu interior apresenta um corpo de vastas proporções e nave única, com cobertura de madeira assente em abóbada de estuque, reforçada por graníticos arcos torais, provavelmente concebidos para sustentar uma abóbada em pedra que nunca chegou a ser executada.
A capela-mor esteve sujeita a intensas infiltrações pluviais, bem assim como uma das capelas laterais que dão acesso à sacristia. Desta maltratada igreja, o destaque vai para a Capela de N. S. da Conceição, localizada no lado do Evangelho e apresentando profusa decoração na estrutura barroca em talha dourada, enquadrando uma bela pintura de N. S. da Conceição.
Como referenciar: Igreja de S. Francisco (Bragança) in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-26 16:17:50]. Disponível na Internet: