Igreja de Santa Sabina (Roma)

Santa Sabina é uma das basílicas paleocristãs mais bem conservadas de entre todos os exemplares deste tipo de arquitetura religiosa, construídos a partir do advento do cristianismo, após o período de clandestinidade dos primitivos cristãos. As colunas e os capitéis são tipicamente romanos, muito provavelmente provenientes de um antigo templo pagão, reconvertido no século V d. C. numa basílica.
O tema da Crucificação de Cristo é uma representação pouco comum nas produções artísticas paleocristãs, mas está presente na Basílica de Santa Sabina. Esta representação iconográfica de um tema muito glosado pela arte cristã constitui um dos mais antigos exemplos conhecidos para este período. Nas portas da basílica trabalhadas em madeira, Cristo aparece com a cabeça direita e os olhos abertos, sem demonstrar sofrimento ou agonia, sentimentos amplamente explorados pela arte barroca da Época Moderna.
Como referenciar: Porto Editora – Igreja de Santa Sabina (Roma) na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-19 05:56:51]. Disponível em