Igreja Matriz de Constância

A Igreja Matriz de Constância, consagrada a S. Julião, situa-se nas proximidades da confluência entre o rio Tejo e o Zêzere. De grandes proporções, a igreja foi construída em 1636, não revelando a sua fachada a monumentalidade interior.
A frontaria é dividida em três panos desiguais por grandes pilastras de cantaria, sendo o central rasgado por três portais de linhas retas, o axial de maiores proporções, sobrepujados por três janelas gradeadas e de verga curvilínea. Os dois panos menores apresentam três pequenas aberturas, elevando-se do pano direito a torre sineira, rasgada por ventanas ladeadas por colunas e pilastras compósitas, com cobertura bolbosa e cimalha marcada por acrotérios. A parte central da empena é rematada por uma estrutura de aletas contracurvadas e cruz latina, tendo no tímpano uma minúscula abertura circular.
O seu interior é formado por uma nave única, coberto por um teto de esteira em forma de berço, decorado por uma pintura central moderna, executada por José Malhoa, alusiva a N. Sra. da Boa Viagem abençoando a união do Zêzere com o Tejo. Lateralmente, abrem-se diversas capelas com estruturas retabulares setecentistas, repousando sobre os pilares destas esculturas de mármore os quatro doutores da Igreja, respetivamente, S. Jerónimo, Sto. Agostinho, S. Gregório Magno e S. Tomás de Aquino. Nos altares laterais expõem-se diversos santos do barroco setecentista, em madeira policromada e estofada, destacando-se as imagens de N. Sra. da Boa Viagem, de Santa Rosa, de S. Miguel e de N. Sra. da Piedade. O púlpito, com o seu alto dossel bolboso, é uma composição equilibrada e o órgão de tubos é uma obra datada de 1827 e realizada pelo mestre Xavier Machado e Cerveira.
De grandes proporções e coberta por uma abóbada de berço, a capela-mor apresenta um rico revestimento de embutidos em mármore negro e branco, solução artística própria dos finais do século XVIII.
Como referenciar: Igreja Matriz de Constância in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-15 05:56:29]. Disponível na Internet: