Igreja Matriz de Ílhavo

A Igreja Matriz de Ílhavo foi completamente reconstruída na segunda metade do século XVIII. Em 1774 tiveram início as obras patrocinadas pelo rei D. José I, à exceção da capela-mor que ficou a cargo da paróquia. 1785 foi o ano em que o templo abriu ao culto.
A fachada é ritmada por quatro pilastras que superiormente delimitam as torres sineiras. Ao centro rasga-se um pórtico encimado por frontão interrompido, seguido de longo vão retangular com o topo superior curvo. Nos panos laterais abrem-se quatro janelas (duas no piso superior e duas no inferior) de idêntico vão, também encimadas por frontão interrompido. Ao piso superior segue-se cornija mistilínea ressaltada, sendo ao centro rematada por frontão anguloso, e lateralmente por duas torres sineiras quadrangulares, com ventanas abertas em arco de volta perfeita, cobertas por coruchéu moldurado na base. Os ângulos das sineiras são terminados por pináculos. Todo o trabalho de cantaria é realizado em pedra de Ançã.
O interior divide-se em três naves, precedidas de um átrio onde se localiza o coro alto. As naves são formadas por arcaria de volta perfeita sustentadas por robustas colunas dóricas que assentam em plintos. Sensivelmente a meio da nave central, encontram-se dois púlpitos (apostos) de pedra, assentes em mísulas, cujas escadas de acesso envolvem os fustes das colunas. Só a nave central termina em capela. As colaterais são formadas por arcos tratados como pórticos que recebem os retábulos. Este esquema organizativo repete-se nas naves laterais.
As coberturas são feitas de madeira, com exceção da ousia que apresenta um teto de estuque.
O arco cruzeiro parte dum plano superior ao dos capitéis das colunas das naves, sendo rematado por frontão curvo interrompido. A capela-mor mostra retábulo dos finais do século XVIII, formado por grande nicho enquadrado por quatro colunas envolvidas por grinaldas. Os restantes retábulos são já obra do século XIX.
Este templo guarda vários objetos artísticos de grande interesse, de época anterior à sua construção, como sejam a pia batismal gomada, dois benedictérios seiscentistas, dois baixos-relevos em talha dourada e policromada - o da "Dúvida de S. Tomé" e a "Senhora da Assunção" -possivelmente oriundos do Convento de S. Domingos, atual Sé de Aveiro.
É de destacar também a colossal custódia de prata dourada, com quase um metro de altura. Apresenta base quadrilobada, onde se inscreve um brasão eclesiástico, nó em forma de nicho vazado, enquadrado por pequenas colunas e hostiário envolvido por radiante de raios ondulantes com sóis nas extremidades. É um trabalho atribuído a uma oficina regional, dadas as analogias com outras peças identificadas com um punção da cidade de Aveiro.
Como referenciar: Igreja Matriz de Ílhavo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-24 02:28:32]. Disponível na Internet: