importância biomédica dos anticorpos

Como resposta à entrada de um antigene o sistema imunológico ativa várias células B responsáveis, no seu todo, pela produção de diferentes anticorpos. A esta diversidade de anticorpos que fica no soro de um ser vivo imunizado contra um certo antigene, chama-se anticorpos policlonais, porque resultam da multiplicação de diferentes células B, ou seja, de diferentes clones. No entanto, cada célula B produzirá sempre o mesmo anticorpo o que significa que o clone de células resultantes da mesma célula B produzirá, também, o mesmo anticorpo, pelo que se chamam anticorpos monoclonais.
Os diversos anticorpos produzidos têm maior ou menor especificidade em relação ao antigene, pelo que a sua ação biológica é mais ou menos eficaz. Em termos biomédicos interessam os anticorpos com maior especificidade para um antigene, pelo que seria determinante poder isolar a célula B responsável pela produção desse anticorpo e em laboratório poder multiplicá-la indefinidamente, produzindo anticorpos monoclonais de grande especificidade, que seriam de grande utilidade. Das muitas células B de um clone, umas diferenciam-se em plasmócitos - que continuam a produzir o anticorpo - e outras ficam como células de memória, responsáveis por uma resposta mais rápida quando o organismo voltar a ter contacto com o mesmo antigene. Os plasmócitos são células terminais, já não se dividem e sofrem apoptose - morte programada - por isso, é muito baixa a produção de anticorpos monoclonais por esta via. Os plasmócitos resultantes de mielomas - tumores malignos de células B - são células imortais, porque se multiplicam indefinidamente. Para a produção industrial de anticorpos monoclonais é necessário ter-se a célula B que produz o anticorpo pretendido e associá-la a uma célula B de mieloma que os produzirá indefinidamente. Georges Köhler e César Milstein - prémios Nobel da Medicina em 1984, pelo trabalho em monoclonais - obtiveram, em 1975, um hibridoma, ou seja, uma célula híbrida resultante da fusão de uma célula de mieloma com uma célula B normal. Os hibridomas mantêm, em simultâneo, a capacidade de produzir os anticorpos da célula B normal e a capacidade de se reproduzir indefinidamente da célula tumoral. Os hibridomas são autênticas fábricas de produção de anticorpos monoclonais.
Os anticorpos monoclonais têm aplicação no diagnóstico de tumores e de infeções ocultas, na terapêutica de tumores, infeções e doenças autoimunes, sendo também utilizados para evitar a rejeição no caso dos transplantes.
Como referenciar: importância biomédica dos anticorpos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-30 10:00:48]. Disponível na Internet: