INXS

Inicialmente chamado The Farriss Brothers (1977), o grupo foi fundado por Garry Gary Beers (n. 22-06-57; baixo), Andrew Farriss (n. 27-03-59; teclas e guitarra), Jon Farriss (n. 10-08-61; bateria), Tim Farriss (n. 16-08-57; guitarra), Michael Hutchence (n. 22-01-60; m. 22-11-97; voz) e Kirk Pengilly (n. 04-07-58; guitarra e saxofone). Começaram por fazer o circuito de bares de Sydney em finais dos anos 70.
Já com a designação de INXS, em 1980 gravaram o álbum homónimo de estreia, seguido de "Underneath The Colours" (1981), trabalhos que se tornaram relativos êxitos na Austrália.
Com "Shabooh Shoobah" (1983), deram-se a conhecer ao mundo, nomeadamente ao mercado norte-americano, graças a temas como "The One Thing" e "Don't Change". Seguiram-se The Swing (1984) e Listen Like Thieves (1985), álbuns que incluíram temas como "Original Sin", "What You Need", "Shine Like It Does" e "Listen Like Thieves". Nesta fase, partiram em várias digressões, mais ou menos extensas, promovendo a imagem da banda. Editado em 1987, o álbum Kick assinalou o ponto de viagem no sentido da massificação do sucesso do grupo, atingindo o estatuto de multiplatina em todo o Mundo. Com êxitos como "Mistify", "New Sensation", "Never Tear Us Apart", "Need You Tonight" ou "Devil Inside", a banda australiana tornou-se num dos fenómenos mais populares do final da década de 80. Em setembro de 1988 o vídeo Need You Tonight/Mediate ganhou em cinco categorias dos prémios MTV. Por esta altura, Michael Hutchence era visto como o herdeiro do trono de Mick Jagger e os INXS como os grandes rivais dos U2, na querela pela supremacia da popularidade internacional. A fama súbita e em grande escala não parece ter feito bem à banda. Hutchence lançou um projeto paralelo, MAX Q (1990), de cariz experimental, com insucesso.
O trabalho seguinte, X (1990), constituiu uma desilusão comercial, em comparação com o antecessor, apesar de incluir temas como "Suicide Blonde", "Disappear", "The Stairs" ou "Bitter Tears". Live Baby Live, registo de um concerto no Wembley, lançado em 1991, atenuou a curva descendente que os álbuns seguintes vieram confirmar.
Welcome To Wherever You Are (1992), um dos projetos mais ambiciosos da banda, veio provar que a fórmula dos INXS já não estava na moda, Full Moon, Dirty Hearts (1993), praticamente ignorado por todos, críticos e público e Greatest Hits (1994), o último lançamento pela Atlantic.O grupo assinou com a Polygram em 1994 mas precisou de três anos para lançar um novo álbum. Nesse período, Hutchence esteve envolvido em vários escândalos mediáticos, especialmente o caso com Paula Yates. Além disso, o músico mantinha a firme convicção de editar um álbum a solo. Esse disco nunca chegou a acontecer mas chegou às lojas Elegantly Wasted (1997), novo esforço dos INXS para revitalizar a sua imagem e carreira. O longa-duração conheceu um sucesso relativo, ainda assim o melhor do grupo desde a edição de X.
A 22 de novembro de 1997 Michael Hutchence suicidou-se na sequência de um estado grave de depressão.
Em junho de 1999, no âmbito da inauguração do Estádio Olímpico da Austrália, o grupo voltou a juntar-se em palco para um miniconcerto composto por quatro músicas, tendo Terence Trent D'Arby ocupado o lugar de vocalista. No mesmo ano foi editado o álbum a solo de Michael Hutchence, gravado durante os anos de 1995 e 1996.
Os INXS contam com duas nomeações para prémios Grammy em 1989 e 1991.
Das diferentes compilações existentes no mercado, referência para Definitive INXS (2002), um disco duplo que reúne os êxitos do grupo australiano.
Como referenciar: INXS in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-08-11 01:50:30]. Disponível na Internet: