Irvine Welsh

Escritor escocês, Irvine Welsh nasceu a 27 de setembro de 1961, em Leith, uma cidade satélite de Edimburgo. Oriundo de uma família desfavorecida, cresceu num bairro social marcado pelo desemprego, pelo alcoolismo e pelo consequente abatimento espiritual.
Frequentou o ensino secundário até ter atingido a idade de dezasseis anos, altura em que decidiu abandonar a escola e começar a trabalhar. Partiu em 1977 para Londres, o reduto mais provável para encontrar postos de trabalho. Foi lavador de pratos, técnico de reparação de televisores, mediador imobiliário e empregado de escritório. Envolveu-se então no mundo das drogas através do fenómeno punk. Tornou-se dependente sobretudo da heroína.
Na procura de uma recuperação, regressou a Edimburgo nos finais da década de 80, e conseguiu arranjar um emprego junto dos Serviços Sociais da cidade, pelo que retomou os estudos, acabando por tirar um MBA em Ciências da Computação pela Universidade de Heriot-Watt.
Começou então a escrever, publicando o seu primeiro livro em 1994, uma coletânea de contos intitulada The Acid House. No mesmo ano apareceu o seu primeiro romance, Trainspotting. A obra, que refletia as vivências do autor na sua incursão pela toxicodependência, logo se revelou um sucesso a nível internacional, tendo sido adaptada para o cinema em 1996, o que serviu para aumentar a sua popularidade.
Em 1995 surgiu o seu segundo romance, Marabou Stork Nightmares, que contava a viagem onírica de um fanático de futebol que entra em coma. Seguiram-se Ecstasy: Three Tales Of Chemical Romance (1996) e Filth (1998), a história de um polícia corrupto e vingativo.
Depois da peça You'll Have Had Your Hole (1998), da série televisiva Dockers (1999) e do romance Glue (2001), Irvine Welsh recuperou parte da sua popularidade como autor ao publicar uma continuação de Trainspotting - Porno (2002) repescava as personagens apresentadas na sua obra mais conhecida e descrevia as suas andanças dez anos depois.
Repartindo o seu tempo entre Amsterdão, Londres, Edimburgo e Ibiza, onde atuou a título habitual como disc-jockey, Irvine Welsh permaneceu no entanto um escocês contemporâneo típico. Em meados da década de 90 associou-se à banda Primal Scream e com ela gravou um hino não oficial da equipa escocesa de futebol para o campeonato europeu a decorrer em 1996 e foi também grande ativista nas campanhas nacionais de legalização do Cannabis.
Como referenciar: Porto Editora – Irvine Welsh na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-06 21:10:15]. Disponível em