Jacinto Freire de Andrade

Sacerdote canonista, nascido em 1597, em Beja, e falecido em 1657, foi poeta e prosador barroco. Grande parte das suas obras desapareceram num incêndio que consumiu a sua livraria, ficando-nos os poemas gongorizantes publicados na coletânea Fénix Renascida. No terceiro tomo desta obra (1718), encontramos sonetos, silvas, canções, glosas, endechas, romances e fábulas deste autor de teor parodístico, onde o elemento mitológico e clássico é acrescido de múltiplos jogos verbais obscuramente satíricos.A sua plutarquiana Vida de D. João de Castro oferece-nos, com admirável linguagem, o exemplo do varão ilustre, a intenção política autonomista e muitos ingredientes barrocos, atendendo ao seu formalismo conceptista e cultista. O autor perseguiu uma corrente da historiografia, que tendia já a desaparecer, pelo seu pendor retórico, desenhando, num estilo solene, marmóreo e discretamente conceituoso, a biografia de um herói à maneira greco-latina de Plutarco e Tito Lívio. Esta obra foi traduzida para latim e inglês e reeditada pela Agência geral do Ultramar em 1940.
Como referenciar: Jacinto Freire de Andrade in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-15 10:00:58]. Disponível na Internet: