Jean-Baptiste Lamarck

Naturalista francês, de ascendência nobre, Jean-Baptiste Pierre Antoine de Monet, Cavaleiro de Lamarck, nasceu a 1 de agosto de 1744, em Bazentin-le-Petit, e faleceu a 28 de dezembro de 1829, em Paris. Destinado precocemente à carreira eclesiástica, optaria, aos dezassete anos, pelo Exército, que acabou por abandonar em 1765 devido a um acidente. Dedicou-se então ao estudo da Medicina e à observação meteorológica e, posteriormente, à Botânica, tendo imaginado e aperfeiçoado o método dicotómico da classificação das plantas. Em 1779, foi admitido na Academia de Ciências e nomeado botânico do rei, tendo, nessa função, percorrido jardins botânicos de diferentes países. Colaborou na reforma do Jardim Botânico que foi transformado em Museu de História Natural. Esta organização obrigou-o a deixar a Botânica e a ocupar uma cadeira de Zoologia dos invertebrados em que veio a notabilizar-se, embora no início fosse assunto que mal conhecia.
Estabeleceu as bases de classificação de invertebrados que ainda é em grande parte seguida. Pelo facto de ter ficado cego, deixou a cadeira de Zoologia em 1818. Foi o primeiro cientista a tentar a previsão do tempo, tendo publicado um anuário meteorológico entre 1799 e 1810. É-lhe atribuída a criação da palavra biologia e a nomenclatura de diversas espécies de nuvens. Foi o primeiro cientista a apresentar uma teoria completa sobre a evolução dos seres vivos, não tendo tido, no seu tempo, a influência merecida. Foi na apresentação da sua teoria evolutiva que mais se notabilizou, apresentando as suas ideias sobre a forma de leis biológicas, o que fez em 1809 e 1815.
As suas obras Flora Francesa, um Dicionário de Botânica e a Ilustração das espécies tornaram-no muito conhecido.
Como referenciar: Porto Editora – Jean-Baptiste Lamarck na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-23 00:54:23]. Disponível em