João Canijo

Realizador português, João Canijo nasceu em 1957. Frequentou o curso de História da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e, no início dos anos 80, descobriu a sua paixão pelo cinema tendo começado a trabalhar como assistente de realização em filmes como Der Stand der Dinge (O Estado das Coisas, 1982), de Wim Wenders; Fim de Estação (1982), de Jaime Silva; e O Desejado (1987), de Paulo Rocha, entre outros.
Em 1983, estreou-se como realizador com a curta-metragem A Meio-Amor. Cinco anos depois, realizou a sua primeira longa-metragem intitulada Três Menos Eu, cujo argumento foi também da sua responsabilidade, onde atuavam Rita Blanco e Isabel de Castro. Trabalhou depois para televisão, realizando a série Alentejo Sem Lei para a RTP. Voltou a trabalhar com Rita Blanco no seu filme seguinte, o thriller Filha da Mãe (1991), com argumento escrito a meias com Olivier Assayas. Em 1996, realizou para a SIC a série humorística Sai da Minha Vida. Seguiu-se no cinema o thriller Sapatos Pretos (1998), uma coprodução com a França com Ana Bustorff e Vítor Norte nos principais papéis, que conta a história baseada num caso verídico de uma mulher de Sines que contratou um assassino para matar o marido. O filme obteve bastante aclamação da crítica. Em 2001, realizou Ganhar a Vida, um drama trágico protagonizado por Rita Blanco sobre Cidália, uma mulher portuguesa que vive numa comunidade de emigrantes nos arredores de Paris, onde trabalha muito, e que um dia vê o filho morrer num tiroteio confuso. Cidália faz tudo para descobrir a verdade e, rodeada de silêncio, fica insatisfeita com as justificações dadas pela polícia francesa. O filme recebeu os maiores elogios da crítica e do público.
Em 2004, estreou outro filme amplamente elogiado pela crítica: Noite Escura, com a participação de Beatriz Batarda, Cleia Almeida, Fernando Luís e Rita Blanco. Um filme sobre uma tragédia familiar passado num bar de alterne, gerido por uma família, algures numa zona rural de Portugal. Nelson (Fernando Luís), o proprietário, vê-se forçado a entregar a filha mais nova, Sónia (Cleia Almeida), à máfia russa, de forma a saldar uma dívida. Esta decisão cria muita tensão uma vez que Celeste (Rita Blanco), a mãe, e Carla (Beatriz Batarda), a filha mais velha, tentam a todo o custo evitar que a sua família seja sacrificada.
Entre onze filmes candidatos, Noite Escura foi escolhido pelo Instituto de Cinema, Audiovisual e Multimédia como o candidato português às nomeações para o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro.
Como referenciar: João Canijo in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 22:52:32]. Disponível na Internet: