Joaquim Alves Brás

Monsenhor português nascido a 20 de março de 1899, em Casegas, na Covilhã.
Apesar de sofrer de coxalgia, o que lhe dificultava a movimentação, foi ordenado sacerdote, em 1925. Entre 1925 e 1930, exerceu a pastorícia na Diocese da Guarda e, de 1930 a 1943, tornou-se diretor espiritual dessa mesma diocese. Apóstolo da juventude trabalhadora e dos valores da família e preocupado, em especial, com a proteção e formação das mulheres dos meios mais desfavorecidos, sobretudo com situações de prostituição, Alves Brás criou a Obra de Previdência e Formação das Criadas que se transformou, em 1933, no Instituto Secular das Cooperadoras da Família, fundou as Casas de Santa Zita, obra baseada nos valores da família e do lar cristão. Para além disso, fundou o jornal Voz das Criadas (1934), atualmente Bem-Fazer e o Jornal da Família (1960). Em 1960, criou ainda o Movimento por um Lar Cristão.
Em 1958, recebeu do Papa Pio XII o título de Monsenhor e o de Prelado Doméstico, em 1962, pelo Papa João XXIII.
A 13 de março de 1966, Joaquim Alves Brás faleceu em Lisboa, vítima de um acidente de viação.
Como referenciar: Joaquim Alves Brás in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 19:53:08]. Disponível na Internet: