John Cheever

Escritor norte-americano, John Cheever nasceu a 27 de maio de 1912, em Quincy, no estado do Massasuchetts. Filho de um próspero industrial do ramo do calçado, sofreu profundamente o colapso do casamento dos pais, causado essencialmente pela perda da fortuna familiar na queda da Bolsa de Wall Street em 1929. Expulso nessa altura da Academia Thayer por ter sido apanhado a fumar, deixou a casa dos pais para ir viver com o irmão mais velho em Boston. Influenciado pela tradição literária da cidade, começou a escrever, publicando o seu primeiro conto em 1930, com o título Expelled. Continuou o seu esforço, escrevendo sinopses para produtoras cinematográficas e contos para diversas publicações periódicas.
Empreendeu pouco depois uma viagem pela Europa e, de regresso, instalou-se em Nova Iorque, onde pôde conhecer vários escritores de gabarito, como John Dos Passos e Edward E. Cummings, que o inseriram, em 1933, numa comunidade literária localizada em Saratoga Springs.
Prosseguindo a sua colaboração com a imprensa, figurou em publicações como a The Atlantic Monthly, o The New Yorker e o Collier's Story. Em 1943 publicou o seu primeiro livro, The Way Some People Live, uma coletânea de contos cuja temática abrangia tanto a vida quotidiana dos subúrbios nova-iorquinos, como as experiências da sua vida militar. Finda a Segunda Guerra Mundial, passou a trabalhar como professor, reservando parte do seu tempo à produção de argumentos para a televisão. Não obstante, pôde dedicar-se quase inteiramente à escrita a partir de 1951, ano em que lhe foi atribuída uma bolsa pela Fundação Guggenheim.
Assim, publicou a sua segunda compilação de contos em 1953, com o título The Enormous Radio and Other Stories. Uma vez mais, Cheever concentrava-se no ambiente suburbano nova-iorquino, descrevendo amiúde as vicissitudes e o vazio da vida da classe média-alta. Durante esta altura, Cheever começou a abusar do álcool, julgando encontrar no vício uma forma de lidar com a sua homossexualidade ainda não assumida.
Passando a dedicar-se ao género do romance, Cheever foi galardoado com o National Book Award em 1958, em reconhecimento pela obra The Wapshot Chronicle (1957), na qual o autor revertia para a vida da sua própria família e do seu declínio.
Regressando de uma estadia de seis semanas na União Soviética, empreendida no âmbito de um programa de intercâmbio cultural, o escritor foi de novo brindado com um prémio literário, desta feita concedido pela Academia das Artes e Letras norte-americana, pela publicação de The Wapshot Scandal (1964).
Em 1975 deu entrada numa clínica de reabilitação, já que o consumo excessivo de álcool começava a afetar as suas capacidades mentais. Dessa experiência resultou o Falconer (1977). Em 1978 apareceu The Stories Of John Cheever, livro que venceu o Prémio Pulitzer, o National Critics Circle Award e o American Book Award.
John Cheever faleceu a 18 de junho de 1982,em Ossinnig, no estado de Nova Iorque.
Como referenciar: John Cheever in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-02-23 19:59:06]. Disponível na Internet: