José Cândido de Carvalho

Escritor e jornalista brasileiro, José Cândido de Carvalho, nascido a 5 de agosto de 1914, em Campos dos Goytacazes, e falecido a 1 de agosto de 1989, em Niterói, também no Rio de Janeiro, teve como obra-prima O Coronel e o Lobisomem.
Com oito anos, foi morar para o Rio de Janeiro, devido a doença do pai, e trabalhou como estafeta da Exposição Internacional de 1922. Entretanto, regressou a Campos dos Goytacazes.
Quando se deu a Revolução de 30, José Cândido de Carvalho dedicou-se ao jornalismo, tendo começado pelo Liberal.Tornou-se bacharel de Direito, em 1937, na Faculdade de Direito do Rio de Janeiro, mas depois de defender o primeiro caso abandonou a carreira de advogado. Entretanto, fixou-se no Rio de Janeiro, passando a trabalhar no jornal A Noite. Em 1939, estreou-se na literatura com Olha Para o Céu, Frederico!, romance que havia começado a escrever três anos antes.
Três anos mais tarde, foi convidado para diretor do diário O Estado, de onde saiu em 1952 para a revista O Cruzeiro, da qual passou a dirigir a edição internacional.
Em 1964, José Cândido de Carvalho lançou aquele que foi o seu maior sucesso de sempre, o romance O Coronel e o Lobisomem, que viria a ser traduzido para inglês, espanhol e francês, assim como teve edição em Portugal. Este romance viria a ser considerado uma das obras-primas da literatura brasileira. Com ele conquistou o Prémio Jabuti, da Câmara Brasileira do Livro, o Prémio Coelho Neto, da Academia Brasileira, e o Prémio Luísa Cláudio de Sousa, do PEN Clube do Brasil.
De 1970 a 1974, dirigiu a Rádio Roquette-Pinto.
Em 1974, José Cândido de Carvalho entrou para a Academia Brasileira de Letras.
Quando morreu, a 1 de agosto de 1989, José Cândido de Carvalho deixou por concluir aquele que seria o seu terceiro romance, O Rei Baltazar.
Para além dos romances, este escritor publicou contos e uma recolha de crónicas jornalísticas intitulada Ninguém Mata o Arco-Íris.
Como referenciar: José Cândido de Carvalho in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-15 07:12:54]. Disponível na Internet: