Joseph Losey

Realizador norte-americano, Joseph Walton Losey nasceu a 14 de janeiro de 1909, na pequena cidade de La Crosse. Frequentou os cursos de Medicina na Universidade de Dartmouth e Literatura Inglesa na Universidade de Harvard. Em 1933, viajou para Nova Iorque onde se envolveu em projetos teatrais. Em 1938, fez algumas curtas-metragens documentais para a Fundação Rockefeller, cuja qualidade motivou um convite para trabalhar em Hollywood: Pete Roleum and His Cousins (1939) foi uma estreia discreta e sem qualquer projeção no mercado comercial. A sua primeira obra de monta foi o drama social The Boy With Green Hair (1948), a história de um rapaz que perde dois irmãos na guerra e que devido ao seu ódio pelo sucedido fica com o cabelo verde e torna-se um símbolo das injustiças terrenas, da inocência juvenil e da luta contra o mundo desumano dos adultos. O filme foi aclamado pela crítica e mal recebido pelas altas instâncias políticas, facto que se estendeu ao filme seguinte de Losey: The Lawless (1950), um retrato realista da discriminações raciais feitas aos trabalhadores mexicanos em plantações de fruta na Califórnia. Na célebre época da "caça às bruxas" perpetrada pelo senador McCarthy, Losey foi denunciado pelo argumentista Leo Townsend como sendo comunista. Colocado na Lista Negra, refugiou-se com a sua mulher em Inglaterra onde viria a assinar os trabalhos mais importantes da sua carreira. Depois de alguns filmes menores que rodou debaixo de pseudónimos, surpreendeu a Europa pela profundidade do sentido estético que conferiu a Eva (1962), um drama sobre um mineiro galês que publica sob o seu nome um romance póstumo de seu irmão e que se torna um best-seller sendo levado ao cinema. Convidado de honra do Festival de Veneza, apaixona-se por uma prostituta (Jeanne Moreau) que se aproveitará da sua ingenuidade. Seguiu-se aquele que se tornou um clássico dos dramas psicológicos: The Servant (O Criado, 1963), a história de um mordomo (Dick Bogarde) que aproveita as fraquezas de seu amo (James Fox) para controlá-lo emocionalmente. Imagem fiel do declínio da aristocracia britânica, o argumento de Harold Pinter esteve na base do sucesso mundial do filme. Posteriormente, Losey explorou o pacifismo bélico em King and Country (1964), a diferença de classes em Accident (Acidente, 1967) e The Go-Between (O Mensageiro, 1971), o psicodrama em Secret Ceremony (Cerimónia Secreta, 1968) e a usura em Monsieur Klein (O Senhor Klein, 1976). Apesar de inúmeros convites, Losey recusou sempre regressar aos Estados Unidos. O seu último filme foi Steaming (1985), uma adaptação da peça homónima de Neil Dunn sobre a interação entre um grupo de mulheres num banho turco. Faleceu em Londres, a 22 de junho de 1984.
Como referenciar: Joseph Losey in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 11:07:25]. Disponível na Internet: