Joyce

Compositora, cantora e instrumentista brasileira, Joyce Silveira Moreno nasceu no dia 31 de janeiro de 1948, no Rio de Janeiro, Brasil. Começou a tocar guitarra aos 14 anos, copiando os movimentos que via nas mãos do irmão, o guitarrista Newton, amigo do celebérrimo Roberto Menescal. Desde sempre rodeada pela influência cultural dos pais, os principais motivadores do seu gosto pela música, Joyce estudou, posteriormente, técnica e teoria musical. Estreou-se nas lides discográficas com apenas 20 anos de idade. O disco homónimo era bastante influenciado pela estética tradicional da bossa-nova, de parelhas dialogantes entre voz e guitarra, de melodias construídas com mel e o swing próprio da alma carioca de Copacabana. O primeiro registo conheceu algum êxito no Brasil e deu a Joyce a possibilidade de participar em diversos eventos culturais e festivais, afirmando-se gradativamente como uma das primeiras mulheres a assumirem a postura trovadora de guitarra/voz como fórmula de criação musical e afirmação de um estilo. A década seguinte ao debute seria a do reconhecimento público do seu talento, como intérprete e como escritora de canções. São desse período alguns dos sucessos mais expressivos do seu percurso, casos das canções "Clareana", "Feminina" ou "Monsieur Binot". Nos anos 90, seguindo a tendência reformista da música brasileira da época, rendeu-se à eletrónica, casando-a com o alento bossa-novista das suas criações e integrando-se, com isso, num movimento renovador da música tradicional do seu país, levando-a à Europa e ao mundo com outra roupagem. Ainda assim, a viragem eletrónica de Joyce é menos pronunciada do que a de outros autores (como Bebel Gilberto, também com grande sucesso no exterior do Brasil), e isso torna-a uma das referências para os saudosistas do passado que, fora do Brasil, sempre procuram a inspiração da música brasileira.

Com mais de duas dezenas de registos a solo e inúmeras participações em gravações de outros músicos, Joyce também escreveu para cinema, teatro e televisão. Mantendo um ritmo de digressões além-fronteiras elevado, é uma das embaixadoras mais importantes da moderna música brasileira. Em 2000, pelo tomo Astronauta, seria nomeada para o Grammy Latino na categoria de Melhor Disco de Música Popular Brasileira. Ainda nesse ano, gravou Tudo Bonito, título destinado ao mercado nipónico, com Kazuo Yoshida, produtor japonês que tem levado a fina flor da bossa-nova para o mercado do seu país. Com uma carreira firme fora do Brasil, editando alguns discos que não chegaram ao mercado brasileiro, Joyce é um dos nomes mais importantes da música do seu país.

Discografia 1968, Joyce
1969, Encontro marcado
1971, Posições (Com o Grupo 'A Tribo')
1973, Nélson Ângelo & Joyce
1976, Passarinho urbano
1980, Feminina
1981, Água e luz
1983, Tardes cariocas
1985, Saudade do futuro
1986, Wilson Batista, o samba foi sua glória
1987, Tom Jobim?os anos 60
1988, Negro demais no coração
1989, Joyce ao vivo
1990, Music inside
1991, Línguas e amores
1994, Revendo amigos
1994, Delírios de Orfeu
1995, Live at Mojo Club
1995, Sem você
1996, Ilha Brasil
1998, Astronauta
1999, Hard bossa
2000, Tudo bonito
2001, Gafieira moderna
2003, Banda Maluca
2005, Joyce & Banda Maluca?Ao vivo (DVD)
2006, Rio-Bahia

Como referenciar: Joyce in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-18 05:36:59]. Disponível na Internet: