Judiaria

A partir do século XIV, em Portugal, os judeus foram obrigados a viver em bairros próprios, que receberam o nome de judiarias. Assim se dificultava o convívio entre judeus e cristãos, ao mesmo tempo que se limitavam os direitos dos primeiros. Antes disso, era já habitual os judeus concentrarem-se em certos arruamentos das cidades, mas essa circunstância não tinha o mesmo carácter segregacionista que se verificou nas judiarias.
As judiarias mais importantes foram as de Lisboa, Porto, Lamego, Santarém e Évora.
Os atos de culto das comunidades judaicas decorriam dentro das judiarias, onde ficavam as suas sinagogas. As sinagogas eram também os locais onde eram tomadas decisões sobre os assuntos das comunidades.
Apesar de tais medidas de segregação, os judeus desfrutavam de uma certa proteção régia e de uma autonomia relativa. Estas, porém, tinham o seu preço, que se traduzia em contribuições excecionalmente pesadas (havia uma série de impostos que incidiam especificamente sobre as pessoas e os bens dos judeus) e empréstimos de montantes elevados.
Como referenciar: Judiaria in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-21 02:01:44]. Disponível na Internet: