Júlio Lourenço Pinto

Contista e romancista da segunda metade do século XIX, nascido a 24 de maio de 1842, no Porto, e falecido a 6 de maio de 1907, na mesma cidade, destacou-se como teórico do Realismo-Naturalismo, tendo sido um dos recetores críticos das doutrinas de Émile Zola, que combinou com influências de Balzac, Flaubert e Eça de Queirós.Nascido no Porto, cidade que servirá de cenário a muitos dos seus romances, frequenta o curso de Direito na Universidade de Coimbra, onde chega a conviver com a geração liderada por Antero de Quental. Em 1864, já formado, ingressa na carreira administrativa, exercendo o cargo de secretário do Governo Civil em vários distritos do país, de Vila Real a Santarém. Foi presidente da Associação de Jornalistas e Homens de Letras do Porto. Só aos 38 anos publica o seu primeiro romance, Margarida (1880), inaugurando a série denominada Cenas da Vida Contemporânea, a que se juntariam Vida Atribulada (1880), O Senhor Deputado (1882), O Homem Indispensável (1883) e O Bastardo (1889), ficando pelo meio um volume de contos, Esboços do Natural (1882). Entretanto, colabora na Revista de Estudos Livres (1883-1884), de orientação positivista, dirigida por Teófilo Braga e Teixeira Bastos, onde publica grande parte dos ensaios em que explanou os pressupostos teóricos do romance, teatro e poesia naturalistas, posteriormente coligidos no livro Estética Naturalista (1884). Mas também nos prefácios dos seus livros deixará exposta a sua teoria do romance como "anatomia implacável da sociedade contemporânea", com o fim corretivo de contribuir para "o gradual aperfeiçoamento do viver social".Muitos críticos apontam o desfasamento entre a teorização e a prática do romance naturalista em Júlio Lourenço Pinto, já que, se é certo que nos seus textos doutrinários o autor se pronuncia sempre contra o determinismo estreito, repudiando que o romance sirva para "a demonstração de um teorema", as personagens das suas obras são sempre vítimas das forças inelutáveis da hereditariedade, da educação e do ambiente que as rodeia.
Como referenciar: Júlio Lourenço Pinto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-22 01:12:35]. Disponível na Internet: