Karachi

A cidade de Karachi situa-se próximo da costa com o mar Arábico, no oceano Índico, e das margens do delta do rio Indo.
Karachi desenvolveu-se no século XVIII, como centro portuário e de comércio pelos mercadores hindus. Foi conquistada em 1839 e subsequentemente anexada pelos britânicos em 1843, que tornaram Karachi a capital da província de Sind. Nesta altura era um pequeno centro de comércio e de pesca, até que foram feitas alterações para o desenvolvimento das condições portuárias, de modo que o porto de Karachi se tornou o principal porto, do século XIX, no oceano Índico. Ao mesmo tempo, o desenvolvimento agrícola passou a garantir um maior volume de exportações.
Foi capital do Paquistão desde 1947, altura em que o país obteve a independência, até 1959, quando Rawalpindi se tornou temporariamente capital interina, precedendo a elevação de Islamabad. A maior parte dos negócios internacionais do Paquistão e do Afeganistão passam na cidade através do seu porto moderno, que fica na ilha de Kiamari. As estradas e vias-férreas mais importantes convergem para a cidade. Possuindo o principal porto marítimo do país e um aeroporto dos mais dinâmicos da Ásia, é considerada o maior centro de transportes do Paquistão, sendo também o mais importante centro industrial, financeiro e comercial. As principais indústrias são as de refinação de petróleo, construção naval, aço, maquinaria, têxtil e química.
A nível cultural a cidade possui universidades, sendo de destacar a Universidade de Karachi e a Universidade de Engenharia e Tecnologia, e outras instituições educativas e ainda um Museu Nacional com uma coleção arqueológica muito rica.
Como marco da cidade é de referir o túmulo de Muhammad Ali Jinnah, fundador do Paquistão.
Foi a base política da família Bhutto (Zulfikar Ali Bhutto e Benazir Bhutto), sofrendo a cidade os vários problemas e conflitos entre sindhis locais e os descendentes de muhajirs, imigrantes muçulmanos que foram para o Paquistão em 1947.
Como referenciar: Karachi in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-18 18:19:31]. Disponível na Internet: