Ku Klux Klan

Nome pelo qual se conhecem duas organizações secretas e terroristas diferentes nos EUA. Uma delas foi fundada em Pulaski, Tennessee, em 1866, logo depois da Guerra da Secessão, perdurando até à década de 1870. A outra, iniciada em 1915, continua em atividade ainda hoje.
O Ku Klux Klan do século XIX era originalmente um clube de veteranos da Confederação. A sua denominação parece ter origem na palavra grega Kyklos (círculo), à qual se acrescentou Klan para se produzir um efeito de aliteração. Esta organização logo se tornou um veículo para a resistência secreta sulista, empenhada em restaurar a supremacia branca, intimidando, açoitando e matando os negros recém-libertados e os seus protetores brancos em expedições noturnas, em que os seus membros apareciam vestidos e encapuzados de lençóis, de modo a impedir a sua identificação. Devido à excessiva violência do grupo, os seus membros começaram a dispersar em 1869, embora continuassem ativas ramificações locais. Em 1880, já tinham praticamente desaparecido.
O segundo Ku Klux Klan organiza-se perto de Atlanta, Georgia. A sua expansão máxima ocorreu nos anos 20, quando tinha mais de 4 milhões de membros nos EUA. À hostilidade contra os negros, a nova organização acrescentou o preconceito contra católicos romanos, judeus, estrangeiros e sindicalistas. Há registo de ataques terroristas até aos anos 70 e 80, porém, de forma esporádica. Em 1985, a organização tinha apenas cerca de 6500 membros, embora conheça atualmente uma certa revitalização e expansão noutros Estados fora do Sul.
Como referenciar: Ku Klux Klan in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-30 16:23:51]. Disponível na Internet: