Kukulcán

O seu nome significa Serpente Emplumada, tal como Quetzalcoátl (com quem tem inúmeras características em comum), e era o deus maia dos quatro elementos. Por isso representava-se usualmente com os símbolos de cada elemento: um abutre, do ar, uma espiga de milho, da terra, um lagarto, do fogo, e um peixe, da água. Podia ser também chamado Gugumatz ou Kukumatz.
Foi do mar que surgiu e foi nele que desapareceu, sendo resultado de uma evolução de um herói tolteca que ensinou este povo a cultivar, a pescar, a curar, o calendário e lhes deu as leis para se regerem. Uma variante desta história conta que Kukulkan apareceu do Oeste com dois peixes, um deus do trovão, dois deuses da agricultura e mais uma quantidade de acompanhantes que se estabeleceram no Iucatão durante dez anos, findos os quais desapareceu para os lados de Este. Entretanto tinha ensinado toda a espécie de artes aos homens.
Era igualmente o deus da reencarnação, da ressurreição e aquele que criou o mundo.
Outra forma de representação era com uma cabeça de ser humano na boca.
Como referenciar: Porto Editora – Kukulcán na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2022-01-25 12:04:55]. Disponível em