Lajes das Flores


Aspetos Geográficos
Vila e sede do concelho, Lajes das Flores localiza-se na ilha das Flores, ilha pertencente ao Grupo Ocidental, sendo o extremo mais ocidental da Europa. Integra-se na Região Autónoma dos Açores (NUTS I, II e III).
O concelho é limitado a norte por Santa Cruz das Flores e, nas restantes direções, pelo oceano Atlântico, ocupando uma superfície de 70 km2, distribuída por sete freguesias: Fajã Grande; Fajãzinha; Fazenda; Lajedo; Lajes das Flores; Lomba e Mosteiro. Em 2005, o concelho apresentava 1482 habitantes.
O clima nesta região é temperado marítimo, com temperaturas médias que oscilam entre os 14 ºC e os 22 ºC. A ilha sofre já a influência da corrente do golfo, pelo que está sujeita a temporais frequentes e chuvas. A precipitação é regular ao longo do ano, sendo responsável pela fertilidade dos solos e pela existência de alguns recursos hídricos, de que são exemplo as ribeiras Seca, Funda, da Fazenda e do Fundão. O relevo é acidentado e de origem vulcânica, predominando andesitos, basaltos, materiais de projeção e cones de escórias. É possível encontrar as seguintes formações geológicas: ilhéu do Cartário, Pedrinha (615 m), Pico do Touro (671 m), Caldeira da Lomba (648 m), Caldeira Rasa, Caldeira Funda (crateras vulcânicas), Ponta da Caveira e Ponta dos Ilhéus.

História e Monumentos
A ilha das Flores foi descoberta em 1452 por Diogo de Teive. O nome da ilha deve-se à existência de grande abundância de flores, pelo que também foi batizada de "jardim" do Atlântico. No século XVI, a ilha serviu de refúgio aos piratas que assaltavam os galeões espanhóis que regressavam carregados de riquezas da América.
Do património arquitetónico existente neste concelho destacam-se a Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, cuja construção foi iniciada em 1763, e a Capela de Nossa Senhora das Angústias, fundada em 1729 por dois espanhóis que ali tinham naufragado. De salientar também o edifício dos paços do concelho, que data da segunda metade do século XX.

Tradições, Lendas e Curiosidades
A atividade cultural no concelho é marcada pelas festas do Espírito Santo. Estas festas remontam aos primeiros colonos, que pediam proteção contra os desastres naturais. O ritual inclui a coroação de uma criança, que usa o cetro e uma placa de prata, símbolos do Espírito Santo, tendo lugar uma grande festa no sétimo domingo depois da Páscoa. Para além desta festa, que é celebrada em praticamente todas as ilhas, têm lugar a festa de São João, de 24 a 26 de junho, e a festa do Emigrante, de 19 a 22 de julho.
Não existem obras de artesanato ou pratos gastronómicos típicos da ilha das Flores dignos de referência.

Economia
Em Lajes das Flores o setor primário, na área da agricultura, é a principal atividade económica. 42,2% da área do concelho são dedicados à atividade agrícola sendo o cultivo praticado em pequenas explorações, destacando-se as culturas forrageiras, as culturas permanentes de batata, o inhame, os citrinos, as culturas temporárias de cereais para grão, a horta familiar, prados, pastagens permanentes e prados temporários.
No que respeita à pecuária, além dos bovinos e das aves, que são criados em todo o arquipélago, este é o único concelho onde se faz criação de ovinos.
A região apresenta uma fraca densidade florestal, de 14,4%, que corresponde a uma área de 55 ha, salientando-se as seguintes espécies: cedros, zimbros e loureiros.
No setor terciário as atividades estão relacionadas com o turismo.
O concelho oferece como principais atividades e atrações turísticas os passeios panorâmicos e as caminhadas, sendo um dos destinos preferenciais a Lagoa Funda.
Como referenciar: Lajes das Flores in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-15 05:35:04]. Disponível na Internet: