Lana Turner

Atriz norte-americana, de seu nome verdadeiro Julia Jean Mildred Frances Turner, nasceu a 8 de fevereiro de 1921, na pequena cidade de Wallace. Marcada por uma infância trágica, viu o pai ser assassinado durante um assalto, obrigando a família a partir para a Califórnia à procura de oportunidades de emprego. Em 1937, foi descoberta numa gelataria por um agente de Hollywood, que ficou fascinado pela sua beleza. Estreou-se como figurante no filme A Star Is Born (Nasceu uma Estrela, 1937) mas teve a desdita de ver as suas cenas cortadas na sala de montagem. Inicialmente, perdeu-se em papéis menores como em The Great Garrick (O Grande Garrick, 1937), Love Finds Andy Hardy (Os Filhos do Juiz Hardy, 1938). Nos anos 40, as portas do sucesso abriram-se-lhe, protagonizando filmes como Johnny Eager (1941), Somewhere I'll Find You (Tempestade no Pacífico, 1942) e The Postman Always Rings Twice (O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes, 1946), talvez o filme mais emblemático da sua carreira, onde a sua sensualidade foi explorada ao máximo. Em seguida, foi uma altiva Milady de Winter em The Three Musketeers (Os Três Mosqueteiros, 1948), trabalhou sob as ordens de George Cukor em A Life of Her Own (Seguirei o Meu Destino, 1950) e interpretou uma diva cinematográfica de Hollywood em The Bad and the Beautiful (Cativos do Mal, 1952). A sua única nomeação para o Óscar de Melhor Atriz surgiu com Peyton Place (Amar Não É Pecado, 1957), onde desempenhou uma viúva preocupada com a vida desviada da sua filha adolescente (Diane Varsi). Apesar do seu sucesso, a vida sentimental de Turner fazia as parangonas dos principais tabloides: entre 1940 e 1957, casou-se cinco vezes. Em 1958, o seu nome foi envolvido num escândalo: o seu namorado Johnny Stompanato, com ligações à Mafia, fora diversas vezes apunhalado pela filha mais velha de Turner, que se cansara de ver os maus tratos infligidos à mãe. Tal publicidade negativa não a impediu de prosseguir a carreira: protagonizou Imitation of Life (O Espelho da Vida, 1958) e o melodrama Madame X (1966), em que desempenhou o papel de uma mulher que perde a sua fortuna e vê-se acusada de assassinato, sendo defendida em tribunal pelo próprio filho. A sua beleza física começa a esvanecer-se e as ofertas de trabalho a escassear. A partir daí, as suas aparições cingiram-se quase exclusivamente à televisão, em séries como The Survivors (1969-70) e Falcon Crest (1981-90). Acometida de um cancro na laringe, faleceu em Century City, a 29 de junho de 1995.
Como referenciar: Lana Turner in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-22 04:23:41]. Disponível na Internet: