lei da conservação do momento linear

Uma lei da conservação implica que uma certa grandeza possa ser conservada. Não existem quantidades dessa grandeza que se percam ou se dissipem.

Em linguagem corrente recorre-se à frase "é conservada" para dar a entender que se trata de uma quantidade que é sempre a mesma, quaisquer que sejam os instantes em que se mede.
O momento linear, também designado por quantidade de movimento, é um exemplo de uma grandeza que se conserva durante as interações, mas para certas condições do sistema. As forças que atuam nesse sistema podem ser forças interiores ou forças exteriores.

Considerando um sistema constituído por uma só partícula de massa m na qual atuam forças cuja resultante é nula, o sistema é isolado. De acordo com a segunda lei de Newton, a variação do seu momento linear é nula à medida que o tempo decorre.

Se o sistema for constituído por duas ou mais partículas interatuando entre si, as forças interiores que atuam nas partículas não alteram o momento linear do sistema.

Só as forças exteriores podem provocar a variação do momento linear do sistema, num certo intervalo de tempo. Neste caso, a expressão matemática da segunda lei de Newton pode tomar a forma: F (forças exteriores) = ¿p/¿t.

Quando a resultante das forças exteriores que atuam num sistema for nula, o momento linear total do sistema é constante. Esta afirmação traduz o enunciado da lei da conservação do momento linear. Em termos matemáticos: se F (forças exteriores) = 0 ¿ ¿p (sistema) = 0.



A conservação do momento linear de um sistema é uma das leis mais úteis da física pois permite determinar o momento linear do sistema antes e depois da interação sem necessidade de conhecer todos os seus detalhes.
Como referenciar: lei da conservação do momento linear in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-09 09:12:40]. Disponível na Internet: