lei de Hess

A lei de Hess, como o próprio nome indica, foi proposta pela primeira vez em 1840 pelo químico russo Germain Henri Hess. Esta lei é por vezes designada por lei da aditividade do calor constante e é uma consequência da lei da conservação da energia.

A importância de conhecer e tabelar os calores padrões de formação dos compostos vem do facto de que durante as reações químicas, os calores libertados ou absorvidos são aditivos. Se os reagentes puderem ser convertidos em produtos através de uma série de reações, a soma dos calores destas reações (tendo em conta os respetivos sinais) é igual ao calor da reação de conversão direta dos reagentes nos produtos. Este enunciado constitui a lei de Hess, na qual se baseia toda a termoquímica.
A lei de Hess pode ser enunciada de um modo mais geral da seguinte forma: o calor de reação de um processo químico é independente do caminho seguido, sendo determinado unicamente pelos estados inicial e final.

Esta lei pode ser usada para obter dados termodinâmicos que não se podem medir diretamente. Outro exemplo é o uso do ciclo de Born-Haber para obter energias de redes cristalinas.


Como referenciar: lei de Hess in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-26 11:23:00]. Disponível na Internet: