Artigos de apoio

Lenda da Noite de S. Silvestre
Segundo diz a lenda, existia no oceano Atlântico, há muitos anos, uma ilha fabulosa, a Atlântida. Arrogante, o rei da ilha ousou um dia desafiar os céus. Deus respondeu-lhe que nada poderia contra o poder divino, mas o teimoso rei voltou a desafiá-lo e decidiu conquistar Atenas.

Durante a batalha, o rei da Atlântida ouviu Deus dizer-lhe que a vitória seria de Atenas, para castigar a sua arrogância. À derrota, seguiram-se terríveis tempestades, terramotos e inundações que engoliram a bela Atlântida para todo o sempre.

Passadas centenas de anos, a Virgem Maria debruçava-se dos céus sobre o oceano quando São Silvestre lhe veio falar. Aquela era a última noite do ano e São Silvestre achava que deveria significar algo de diferente para os homens. Deveria marcar uma fronteira entre o passado e o futuro, dando-lhes a possibilidade de se arrependerem dos seus erros e de terem esperança numa vida melhor.

Nossa Senhora concordou e revelou-lhe o motivo por que estava a observar o mar com uma certa tristeza: lembrava-se da bela Atlântida, afundada por Deus por causa dos pecados dos seus habitantes.

Enquanto falava, Nossa Senhora deixava cair lágrimas de tristeza e misericórdia porque, apesar do castigo, a humanidade não se tinha emendado. São Silvestre reparou então que não eram apenas lágrimas que caíam dos olhos da Senhora, mas também pérolas autênticas.

Uma dessas pérolas, ao cair no local onde a Atlântida tinha existido, originou a ilha da Madeira. Esta ficou conhecida como a Pérola do Atlântico.
Como referenciar: Lenda da Noite de S. Silvestre in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-11-23 22:34:27]. Disponível na Internet: