locutor

Em pragmática e análise do discurso, o termo locutor designa a pessoa que produz um ato de fala numa situação de comunicação oral e define-se pela relação com o alocutário, a pessoa a quem dirige o ato de fala. Enquanto entidade que fala, o locutor produz enunciados nos quais inscreve as suas marcas pessoais, visíveis nos pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos da 1.ª pessoa (<eu>, <nós>, <meu>, <nosso>, <este>), nos morfemas verbais de pessoa (<ando>, <andamos>/ <andei>, <andámos>/ <andarei>, <andaremos>, etc.).
Oswald Ducrot, no quadro da sua teoria polifónica, saída das novas correntes da pragmática e da análise do discurso, distingue o locutor (L) - ser do mundo, sujeito empírico -, do locutor (L) - responsável pelo enunciado -, da mesma forma que o autor se distingue do narrador em narratologia. O locutor (L) é, segundo Ducrot, uma criação do locutor ser do mundo, através do qual ele cria vozes das quais se distancia ou com as quais se identifica. Assim, num discurso político, o indivíduo empírico e histórico usa um locutor "nós", que, de acordo com o seu objetivo, pode incluir os colegas do partido, ou os membros da assembleia, ou os cidadãos portugueses.
Como referenciar: locutor in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-14 00:52:46]. Disponível na Internet: