Luciana Stegagno Picchio

Filóloga iberista, medievalista, brasilianista, historiadora de teatro e literatura, Luciana Stegagno Picchio nasceu a 26 de abril de 1920, em Alessandria, Itália, e faleceu a 28 de agosto de 2008, em Roma, capital italiana.

Autora de uma vasta obra que toca variadíssimos campos da investigação, foi considerada a mais importante luso-brasileirista da Europa.
Autora, entre outros estudos, de um dos mais importantes trabalhos sobre a Literatura Brasileira - História da Literatura Brasileira, editada no Rio de Janeiro em 1997 pela Editora Nova Aguilar - Luciana Stegagno Picchio aparece no cenário da crítica e ensaística internacional como um dos nomes mais válidos no que concerne o conhecimento de várias nações, na sua cultura, literatura e história.

Com um estilo muito peculiar revelado por uma escrita hábil e penetrante, Luciana Stegagno Picchio capta os seus leitores levando-os a uma leitura atenta e interessada.

Filóloga iberista, historiadora da cultura e crítica literária italiana, desempenhou o cargo de Professora Emérita da Universidade de Roma "La Sapienza", depois de ter nela lecionado, como Professora Catedrática, de 1969 a 1996, as disciplinas de Língua e Literatura Portuguesa e Literatura Brasileira. Foi também professora visitante em muitos países, entre os quais se destacam, principalmente, Portugal, Brasil e Estados Unidos da América.

Licenciada em Arqueologia Grega pela Universidade de Roma, participou em diversas edições científicas e editoriais italianas e estrangeiras, das quais se destacam o Dizionario delle Opere e dei Personaggi Bompiani e a Enciclopedia dello spectacolo.
Colaboradora em Boston (EUA) do linguista Roman Jakobson, com ele desenvolveu trabalhos sobre os estudos de literatura medieval e moderna portuguesa, como por exemplo, sobre Fernando Pessoa.

Para além desta colaboração prodigiosa, Luciana Stegagno Picchio é ainda autora de mais de 500 publicações sobre as literaturas e culturas de expressão em língua portuguesa.

Das suas obras dedicadas a Portugal destaca-se, sobretudo, Storia del teatro portoghese (Roma, 1964, com tradução em português em 1969), Profilo della letteratura drammatica portoghese (Milão, 1967) e Ricerche sul teatro portoghese (Roma, 1969).

De sua autoria são também várias edições críticas de poesia e prosa medieval, renascentista e moderna, principalmente sobre a lírica galaico-portuguesa, com maior destaque para as obras de João de Barros e Gil Vicente.

Produziu também inúmeros ensaios críticos sobre os principais autores de língua portuguesa, destacando-se artigos sobre Camões, Fernando Pessoa e José Saramago.

É de salientar que estas obras poderão ser encontradas no mercado português, uma vez que estão compiladas no volume A Lição do Texto (Lisboa, 1979).

Das obras dedicadas ao Brasil, merecem especial destaque as obras de história literária, como por exemplo La littérature brasilienne (Paris, "Que sais-je?", 1982, com tradução portuguesa em 1986), La letteratura brasiliana (Firenze-Milano, 1972, com tradução romena, Bucareste, 1986), Storia della letteratura brasiliana (Torino, 1997, com tradução brasileira - História da Literatura Brasileira - no Rio de Janeiro em 1997).

Era colaboradora permanente do jornal La Repubblica, onde publicava regularmente, desde 1987, artigos e resenhas críticas sobre assuntos diversos, portugueses e brasileiros. Membro de inúmeras Academias, Doutor Honoris Causa de inúmeras universidades , viveu e trabalhou sempre em Roma, mesmo passando largas temporadas, por motivos profissionais, em variados países do mundo.

Considerada uma das principais referências da crítica e do estudo aprofundado das culturas, línguas e literaturas portuguesa, brasileira e italiana, Luciana Stegagno Picchio é, sem dúvida, um dos nomes mais sonantes do panorama crítico e literário europeu.
Como referenciar: Luciana Stegagno Picchio in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-26 10:38:34]. Disponível na Internet: